Carregando...

Windows como conhecemos poderá morrer após nova restruturação, ações da Microsoft subiram

Windows como conhecemos poderá morrer após nova restruturação, ações da Microsoft subiram

surface-pro-2017

A Microsoft descobriu como ganhar muito dinheiro sem depender da nuvem graças também ao atual CEO da empresa, o indiano Satya Nadella. Terry Myerson está fora da empresa. A Microsoft o nomeava como “vice-presidente executivo e ex-líder do Windows e Devices Group (WDG)”. Sim, a Microsoft precisa nomeações mais curtas. Em suma, o chefe do Windows está deixando a empresa depois de 21 anos. E para muitos, o que mais intriga, é que ele não está sendo substituído. Alguns acreditam numa nova era, e as ações da Redmond subiram após o anúncio.

Você pode ler o e-mail do CEO Satya Nadella sobre as alterações no website da Microsoft e o memorando de saída de Terry Myerson no LinkedIn. Executivos da Microsoft agradeceram a Myerson por seu trabalho, como foi o caso do Bill Gates:

Em vez de substituir Myerson, Nadella dividiu sua divisão e emitiu quatro “mudanças de liderança”. O chefe de dispositivos da Microsoft, Panos Panay, é agora o diretor de produtos da Microsoft. Kudo Tsunoda ainda está focado em “experiências de alto valor”, e Brad Anderson ainda é responsável pela implantação do Windows Enterprise.

O restante do anúncio é sobre os esforços de nuvem e Inteligência Artificial, o que não é novidade para quem acompanha a empresa. O primeiro é onde o crescimento da Microsoft está tendo atualmente – basta olhar para qualquer um dos relatórios de ganhos recentes da empresa – e o último é onde a empresa está apostando que o crescimento futuro irá.

Windows está morto. Vida longa ao Windows

joe-belfiore-2017

É muito difícil entender o que a Microsoft busca com todas essas mudanças, na verdade ninguém sabe ao certo, mas a quarta mudança de liderança que não fala sobre a nuvem ou Inteligência Artificial envolve Joe Belfiore (foto acima), vice-presidente corporativo do grupo de sistemas operacionais da Microsoft. E, curiosamente, foi o cargo mais detalhado por Nadella:

Joe Belfiore continuará liderando nossas experiências com o Windows e impulsionará a inovação do Windows em parceria com o ecossistema de PCs e dispositivos. O futuro do Windows é brilhante à medida que continuaremos a inovar em novos cenários e novas formas de dispositivos e nos conectamos mais profundamente às nossas ofertas do Microsoft 365. Joe compartilhará mais sobre o roteiro do Windows na Build.
(Build 2018 será uma evento para desenvolvedores que ocorrerá no dias 7 a 9 de maio em Seattle)

Então, como isso se relaciona com a saída de Myerson? A Microsoft está minimizando a importância do Windows e fazendo questão de continuar investindo no Windows. O Windows 10 vai continuar melhorando já que recebe duas grandes atualizações gratuitas todos os anos. Quatro foram lançadas até agora, a quinta está chegando no próximo mês, a sexta já está em desenvolvimento, e mais estão em preparação.

Nadella explica que essa mudança deve trazer maior consistência em todos os software e dispositivos Windows, usando a nuvem e a Inteligência Artificial. Os serviços de nuvem passaram a ter participação crescente no resultado financeiro da Microsoft, embora a maior parte do bolo ainda venha das vendas do Windows e do Office 365. Em outras palavras,  a empresa usará seu ponto forte (nuvem) para tornar o Windows mais rentável, mas ainda investirá no futuro promissor (IA).

Nadella prometeu uma unificação completa do Windows 10 e novos dispositivos com novos formatos com Windows além de híbridos como o Surface e Surface Book. Uma das formas esperadas é a dobrável para que PCs funcionem como smartphones e que os rumores tem chamado isso de “Andromeda”. É muito provável que Nadella esteja sinalizando o início de uma visão “One Windows”. Ainda não se sabe como isso acontecerá nem o qual será o impacto para os usuários. Mas a expectativa é por uma nova geração de hardware Windows centrado em nuvem.

O documento enviado por Nadella também indica que ele espera que os engenheiros da companhia atuem de maneira mais rápida para modernizar o visual (Fluent Design?) e o funcionamento do Windows. A Microsoft está ciente de que o Windows, por si só, não é suficiente. Mas essa peça ainda importa, pelo menos aos olhos da Microsoft.

O Windows como o conhecemos nas últimas três décadas está morto. Mas o Windows não está morto. Esta é uma preparação para o futuro. As ações da Microsoft subiram 2,1% após o anúncio, fechando em US$ 91,27.

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.

Curta nossa nova página no Facebook!