Carregando...

Bill Gates não queria a compra do Minecraft, mas agora “ele entendeu” Phil Spencer

Bill Gates não queria a compra do Minecraft, mas agora “ele entendeu” Phil Spencer

xbox-minecraft

A gigante Microsoft gastou US $ 2,5 bilhões de dólares na compra da Mojang, o estúdio por trás do Minecraft, e isso pode ter surpreendido a todos, mas a aquisição foi vista amplamente como uma jogada inteligente pela empresa que já está obtendo retornos significativos e melhorando a imagem da Microsoft no mundo dos jogo.

Em seu recém-lançado livro, o CEO da Microsoft, Satya Nadella, deu algumas dicas interessantes sobre a compra, no entanto. Por um lado, ele sugere que a empresa poderia ter comprado o Minecraft em uma data passada, muito mais cedo do que 2014, referindo-se que a ideia veio Phil Spencer, que era apenas vice-presidente corporativo da Microsoft Studios na época e ainda não um dos líderes da Microsoft:

“No início do relacionamento da Microsoft com a Mojang, antes de ser CEO, Phil apresentou a oportunidade de comprar Minecraft, mas o chefe de Phil [Don Mattrick] na época escolheu não avançar”.

No entanto, o chefe de Spencer na época, provavelmente Don Mattrick, desistiu. Enquanto Nadella não fornece muitos outros detalhes, parece haver pelo menos alguma confusão do outro lado, já que o fundador e ex-proprietário de Mojang, Markus Notch Persson sugere que eles não tinham interesse real em uma venda até 2014:

“Eu provavelmente sou a pessoa errada para perguntar sobre detalhes, mas lembro-nos de obter uma oferta ridiculamente baixa de alguma empresa em algum momento. Nós dissemos que não. Apenas para ser claro, não estávamos ativamente procurando vender, mas com alguma frequência essa pergunta surgia.

Se a Microsoft tivesse comprado a empresa na época que Phil Spencer sugeriu, provavelmente não teria que pagar um valor tão alto US $ 2,5 bilhões que eles acabaram pagando, embora Nadella afirme está satisfeito com a compra.

Ele também elogiou a Spencer por sua persistência, já que ele manteve sua ambição de trazer o agora massivamente popular jogo e finalmente conseguiu conquistar o acordo quando ele foi promovido para ser o chefe do Xbox e a oportunidade de comprar o Minecraft veio novamente. Nadella escreve:

“Para alguns, uma rejeição tão visível e de alto nível poderia estar murchando, mas Phil não desistiu“.

Outro achado interessante sobre a compra que Nadella revela em seu livro é que no momento da compra, ambos os antecessores, Bill Gates e Steve Ballmer, não concordavam com a compra. US$ 2,5 bilhões foram certamente uma grande quantia alta para um jogo que havia sido lançado há 3 anos em 2011. No entanto, eles acabaram entendendo a aquisição, como explica Nadella:

“Bill Gates e Steve Ballmer, que ainda estavam no conselho quando o acordo foi apresentado, depois riram e disseram que inicialmente coçaram a cabeça, não entendiam a atitude. Agora eles entendem“.

Desde então, a Microsoft trabalhou incansavelmente ao empurrar o IP para tantas plataformas quanto pudesse encontrar, desde PCs até dispositivos móveis, criou parcerias com outros estúdios para produtos derivados e melhorou a fidelidade visual do jogo. Para um jogo tão popular quanto o Minecraft, a compra quase certamente produzirá grandes retornos no futuro, estabelecendo a Microsoft como um dos maiores nomes nos jogos. Além disso, a Microsoft espalha o Windows 10 e seus serviços da nuvem nas escolas com a ajuda do Minecraft, além de ser tido como um título forte para a realidade virtual no HoloLens.

O jogo já tem dado lucros para a Microsoft de diversas formas, e ainda parece ter um futuro promissor.

Vocês concordavam com a compra? Ou deveria ter comprado outro jogo? Já tem o livro de Nadella em português?

Fonte: Yahoo Finance

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.