“Decay of Logos”, inspirado em Zelda, já está em pré-venda no Xbox One

No ano passado, a Rising Star Games revelou um jogo do tipo Zelda chamado Decay of Logos. De acordo com o desenvolvedor, o título é ambientado em um mundo de fantasia onde você coexiste com reis, cavaleiros, magos, espécies antigas e outras criaturas míticas. Você viaja através de um antigo reino governado por um rei em guerra e tem que vingar seus entes queridos. Depois que sua vila é saqueada, você é salvo por um alce mágico e embarca em uma nova missão.

Mergulhe no mundo da Decay of Logos e desvende seus mistérios. Explore antigas masmorras, lute contra inimigos implacáveis ​​e viaje através de um vibrante reino de fantasia interconectado com seu companheiro místico de elk.

Decay of Logos é semelhante a The Legend of Zelda: Breath of the Wild, e já cativou muitos jogadores. Como visto no trailer, o jogo é uma aventura de RPG de terceira pessoa que se concentra no combate tático em vez de no combate à ação. A jogabilidade gira em torno do vínculo com um misterioso alce.

A Rising Star anunciou que o Decay of Logos chegará ao Xbox One e ao PC em 30 de agosto. Se você quiser garantir agora mesmo a sua cópia na pré-venda, custa R$ 75 neste link. Espero que o jogo seja uma ótima experiência  ao longo das linhas dos títulos de onde se inspirou. O título definitivamente melhorou desde a  PAX East 2017.

59 comments on ““Decay of Logos”, inspirado em Zelda, já está em pré-venda no Xbox One

  1. Cara… gráficos de Xbox 360. Não.foi só o tema que tiraram do Zelda, quase chegaram nos gráficos do 64.
    Respeito quem gosta de jogo retrô, mas eu não compro um console de última geração pra jogar jogos de primeira geração.

    1. Menos meu nobre. Esse estilo de jogo é desse jeito mesmo. Veja os gráficos do último Zelda, é assim mesmo. Mas claro que quem gosta de jogos foto realistas vai procurar outro tipo de jogo.

      1. Sei não Fernando.
        Já joguei games com gráficos onde a proposta era desenho mesmo, e nesse caso não me pareceu.
        Grandia III, jogo muito bom mas se fosse hoje eu nem jogaria.
        Pra mim ainda parece gráfico ruim e não proposta de jogo com gráficos alternativos.

        1. Nossa mano vc está falando do Zelda botw, se sim concordo acho ele o melhor jogo da geração, agora se vc estiver falando de crackdown 3 o seu gosto é horrível.

  2. Esses adventures sao sempre mto bem vindos. E além de tudo o game tem umacabra guerreira ué, se pá só isso já vale avaliar o game.

    Curto mto esses gráficos em Cel shading, deixei passar alguns games no passado com essa temática de RPG por ter mtos outros AAA na fila. Mas esse vou me esforçar pra ver de koeh sim.
    Até pq como já disse: esse game tem uma cabra bolada e agressiva hahah

    1. Eu tb gosto de aproveitar jogos “desconhecidos” que me chamam a atenção, por exemplo como foi com Ashen, pois costumam ser uma grata surpresa.

    1. Vrdd, por isso vai sair em todas as plataformas ????? se chamar vc de burro, vai ofender o burro, o asno, o jumento e a mula ???????

    1. Poxa, eu curti RiME, não vejo RiME como um jogo grande, vejo ele mais como um puzzle simples porém mt lindo, me lembra muito um outro puzzle que esqueci o nome, acho q era Pneuma: Breath of life, algo assim.

  3. Por mim ainda podia dar uma melhorada no aspecto gráfico, na parte de iluminação/brilho/sombra. Mas tirando isso, amo esse tipo de gráfico, pra mim é o melhor estilo gráfico que tem. Tem uns dois jogos mt bons com esse estilo gráfico em desenvolvimento (Kurtzpel e Blue Protocol), mas acho meio difícil chegarem aos consoles, além de serem o tipo de jogo que só costuma lançar em Pc, são jogos feitos com o foco no mercado asiático de Pc gamers, talvez o segundo nem chegue no ocidente tão cedo. Espero que cheguem aos consoles algum dia.

  4. Essa geração os jogos estão toscos ….. Saudade dos games que realmente vinham e marcavam a geração inteira e a próxima ainda … agora desde o lançamento desta geração não tivermos nenhuma novidade marcante, apenas mais do que já se tem .. Cópia das Cópias e por ai vai … Ex disso é os Battleroyale que ta chovendo …

    1. Faz sentido! O grandes jogos dessa geração são, em sua grande maioria, continuações de jogos lançados na última geração ou remakes de jogos de gerações passadas (vide RE2, que é considerado por muitos um dos melhores do ano até aqui).

      1. Horizon Zero Dawn, Bloodborne, God of War (praticamente um jogo novo), Spiderman discordam do seu argumento….

        Apesar de que muitos deles se inspiraram e copiaram mecânicas estabelicidas em outros jogos de sucesso

        1. Bloodborne nem preciso dizer, já que ele é considerado um souls-borne (cuja origem remonta a Demon Souls). Spiderman, bem… Ele é a evolução de si mesmo, mas com adições de elementos de outros jogos da insomniac. God of War é um jogo de ação/hack n slach moderno com elementos de metroidvania. Ele é “novo” considerando a série, mas não o vejo tão distante de games do tipo, como darksiders, por exemplo (não estou dizendo que são igualmente bons). HZD é, de fato, um sopro de ar fresco no mundo dos action rpgs. Sabe o que acho inovador?
          – Crypt of the necrodancer,

          – Yoku’s Island
          – Return of the obra dinn
          – Outer wilds
          – Donut County
          – The messenger
          – Sexy Brutale
          – Wandersong

  5. O jogo me chamou a atenção, e jogos assim costumam ser uma grata surpresa, como foi com Ashen, o “souls” com gráficos de Zelda se mostrou uma aventura muito boa. O problema é que será lançado junto com Blair Witch e logo em seguida tem Gears 5. Então Decay of Logos terá que ir pra imensa fila.

    OBS: Esta é uma das diferenças. Enquanto no XB nós temos muitos jogos na fila pra jogar, no PS não tem jogos, tem só um “carteiro” correndo que nunca chega.

    1. Não diria que Ashen foi uma surpresa. Esteve em três E3, na Pax East, Gamescons, é um exclusivo do xbox e é mais caro que a maioria dos indies. O jogo não é ruim, mas eu não o recomendaria se não fosse o gamepass (ou uma boa promoção). De “souls” só há a barra de “stamina”. Não há gerenciamento de atributos (nesse aspecto, Ashen assemelha-se a um jrpg), não há classes, não há um gerenciamento do equipamento, não há covenants (pelo menos não até onde joguei). São poucas armas, limitadas a machados, porretes e lanças. Ashen sempre diz onde vc tem que ir… Enfim, se Ashen custasse o preço que vale, uns 50-70 reais, eu nem faria essas críticas, mas custando o que custa, é mais do que justo cobrar mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *