Diretor de God of War acredita que os preços dos jogos “precisam subir”

God of War, 2018

Cory Barlog, diretor criativo do God of War da PlayStation, expressou sua opinião sobre o aumento do custo dos jogos eletrônicos. Com a notícia de que os títulos de nova geração terão um aumento no preço de varejo padrão de US$ 60 dólares para US$ 70 dólares, a fim de combater os orçamentos de produção necessários para criar experiências AAA como Halo Infinite ou The Last of Us 2, Barlog explicou que acredita nisso.

Enquanto o mundo infectado por microtransação, NBA 2K21 será o primeiro jogo a tirar vantagem desse novo aumento de preços, o Barlog deseja que os preços aumentem principalmente para combater a necessidade corporativa de caixas de saque (loot boxes) e microtransações predatórias.

Os jogos precisam subir de preço“, disse o diretor do God of War no Twitter. “Prefiro um aumento inicial no preço do que ganância sempre cheia de microtransações em busca de agarrar dinheiro que alguns jogos se tornaram”.

O Barlog não é o único profissional do setor que vê preocupação no crescente crescimento do tamanho de jogos AAA, criação de ativos e complexidade para que os criadores façam algo que consumidores exigem.

Shawn Layden, ex-executivo da Sony, recentemente expressou seus pensamentos sobre a insustentabilidade do desenvolvimento de jogos AAA  na atualidade, observando principalmente os avanços no desenvolvimento entre The Last of Us e The Last of Us 2.

Presumivelmente, com Barlog trabalhando em God of War 2 para a próxima geração do PlayStation 5 da Sony, a posição do diretor em criar títulos AAA exclusivos para o console da japonesa é algo que devemos ouvir já que pode se tornar real. Ao menos God of War 2, tem grandes chances de ser mais caro quando for anunciado em algum dia.

O que vocês acham? Concordam que o preço dos jogos precisa subir?

239 comments on “Diretor de God of War acredita que os preços dos jogos “precisam subir”

  1. Em certo ponto, tenho que concordar. É como em jogo mobile… Prefiro um jogo pago, full, do que um jogo free que eu não posso jogar nem 5 minutos sem ver uma propaganda e tendo que vender a alma pra comprar itens que deveriam estar dentro do jogo.

    Claro que os preços dos jogos são caríssimos, então esse é um assunto bem complicado mesmo…

    1. O Super Mario Run vem completo se pagar mas te obriga acesso constante à Internet pra ficar checando a cada segundo se você pirateou o jogo. Comprei pra nunca mais jogar, quando estou conectado à Internet estou jogando outros jogos online. Falta de respeito com o consumidor.

  2. Temos dois cenários no mundo dos games, o preço dos jogos naturalmente vai subir, a questão é que muitas empresas cobram preço full em seus jogos, fragmentam eles e vendem DLC a fazer bico, e de quebra ainda tem microtransações, e tem jogos que você recebe um conteúdo completo, em que se por ventura existir uma DLC vai ser algo a acrescentar em muito no seu gameplay, o melhor exemplo é The Bruxão 3. Infelizmente a maioria dos jogadores não preza pelo seu dinheiro, gastando fortunas em microtransações, em jogos anuais em que não muda NADA de um ano para o outro, essas pessoas acabam alimentando um sistema que só corrompe o mundo dos games, pagaria tranquilo 70 dólares em jogos como Halo Infinite ou Cyberpunk 2077, porque sei que são 70 dólares bem investidos, agora pagar 70 conto por um jogo genérico de esporte, que faz fortunas em microtransações… ta de zoa.

      1. Não sou chegado em jogos de luta, mas entendo o receio do pessoal quanto a ter jogos como Mortal Kombat sob a tutela da EA, parte do que esta ocorrendo na BioWare atualmente acredito que seja por culpa da EA, torço para que ela não desmante-le a BioWare nessa busca incessante por jogos “caça niqueis”

  3. Cara, na próxima geração o XSS vai ter um custo benefício imbatível por causa do game pass, pra mim pagar R$ 300 reais em um jogo tem que ser um jogo nível TW 3.

    1. Nunca na história deste planeta o custo benefício foi tão agressivo. No máximo tinha o PC e o alcance de público dele é muito menor que videogame.

  4. O problema não são as micro, problema são jogos cobrando preço full sem conteúdo nele e depois tentando compensar com dlc paga e nunca será uma opção ou um ou outro, elas vão aumentar e continuar explorando as micro pq rendem muito dinheiro, pode ter certeza que a Sony está tentando implementar isso, um método de faturar mais já que seus jogos principais monetizam pouco, apenas com os lucros de venda, o que é bem arriscado, se não vender bem no lançamento o prejuízo vem e não se recupera mais.

      1. O insider klobrille retwitou uma mensagem de um cara dizendo que a Microsoft estaria interessada em comprar a Warner, aí ele disse: Oh, okay(Até onde eu sei, “Oh Okay” significa sim)
        O Insider Ahmad disse que acredita, e o insider Tom Warren também.

        PCista precisa se informar mais…Ou vc é sonista?

  5. Acho engraçado o sr Barlog mencionar as microtransações, e ignorar casos da própria sony. Como por exemplo Spider man q lançou em setembro de 2018 a full price. E já tinha dlcs agendadas para lançamento 2 meses depois.
    É de entender q games com novas tecnologias acabaram ficando mais caros para produzir. E q esse custo acabará sendo repassado ao consumidor. Mas tem empresa q é FDP ao extremo. E cava pra ganhar tanto com o preço do game, como com as MT. Vide ea, activision, ubisoft, 2k….

    1. é mas o papo que ta rolando é que a nova geração vai usar o poder maior da nova geração pra facilitar pras desenvolvedoras baixando o custo de produção, em contra partida teremos jogos em pleno 2021 em 30 fps sofrivel… e ainda pagaremos mais caro nos games isso é ridiculo. Sacrifica performance em prol da produtividade e baixo custo pras desenvolvedoras sendo que elas entregarão porcos 30 FPS mais caros da historia!

        1. Pode ate ser abusiva, mas como o gato mestre disse DLC é diferente de Microtransação….Não me conformo com o que fizeram com Arkham Knight até hoje…

      1. Sim, mas a minha critica é aos dois métodos.
        É claro q DLC quando agrega em conteúdo, como as do the witcher 3, ou a do bloodbourne é sempre bom. Mas o meu exemplo foi da do spider man. Que alem de terem sido lançadas colado ao lançamento do game, e a preços absurdos. Tinham pouquíssimo conteúdo relevante.

        1. Todas DLC são desenvolvidas durante os jogos, é ilusão achar que a empresa lança o jogo e depois faz a DLC. TW3 por exemplo a personagem do trailer da E3 tem destaque na expansão Blood and Wine.

          A experiência completa do jogo é ele sem as DLC. A empresa aposta em DLC quando quer lançar conteúdo experimental, que talvez não tenha apelo pra todo mundo. As da Ubisoft pelo menos são assim, pois na DLC não existe a pressão de vender como no jogo base.

      1. E aonde eu comparei ambos? Apenas citei os dois no msm comentário, mas deixem bem separados, ilustrando inclusive com exemplos.
        Vc achou certo o q a sony fez no spider man? Lançando dlcs q poderiam tranquilamente terem sido lançadas já inclusas no game, e ainda cobrar quase 80 reais por cada uma?
        O sistema de dlcs, quando mal utilizado, é tão predatório quanto o de microtransações.

  6. Eu me impressiono com a Microsoft. Vários de seus títulos, são atualizados de graça. Pega ai Sea of Thieves, todo conteúdo novo é free, tirando skins e alguns animais, que nada muda na gameplay, State of Decay 2, até hoje recebendo updates, jogos da Sony lança hoje, já era, nenhuma atualização, nenhuma novidade. As vezes soltam uma dlc outras vezes faz como o Spider Man, quer jogar a dlc? Compre nosso mais novo console, foda-se os 110 milhões de pessoas.

          1. Cara zerei o Dragon Age inquisition, a um tempão atrás, mas até hoje não tive coragem de comprar as DLCs dele muita sacanagem vc aber do final do jogo só com DLC a Capcom tbm é mestra nisso…

          2. A BioWare e a Respaw são duas ótimas desenvolvedoras, pena q a EA mancha completamente elas

          1. Eu gosto do PES, mais difícil, mais estratégico, mais simulação. Mas concordo que é mais pra gamer hardcore.

    1. Problema vai ser quem optar pela versão sem disco. Bob Esponja na live custa 59 reais, na Psn custa 120 reais. Não duvido nada que jogos da Sony de próxima geração, custe 300/350 reais.

      1. Com o dólar do jeito que tá, os jogos next-gen vão chegar a R$ 300/350 facilmente. Não sei vai acontecer o mesmo com os first-party do Xbox, porque a Microsoft costuma subsidiar os preços no Brasil.

      1. Vcs são muito burro, acreditam que bundle são apenas de jogos encalhados. Desconsideram totalmente que a empresa aproveita o lançamento de um grande jogo, para atiçar a vontade de quem ainda não tem o console para adquirir de uma vez só o combo completo. Aliás, o preço é mais alto quando há este tipo de bundle em lançamentos. Só que não adianta falar isso, pq vcs escutam apenas o cancelado mil grau e narigudo do Duff

        1. Aí que você se engana: os bundles de PS4 são mais baratos que comprar os jogos separadamente. Não é que nem no Switch que os bundle são 360 dólares, onde vale mais a pena comprar separadamente o jogo do console.

    2. Por que vc acha que Shawn Layden saiu pela porta “logo ali quem tá achando ruim.” ?
      O modelo de negócios do Playstation foi sempre se sustentar nos chamados hits, segundo o padeiro Yoshida: Sete jogos dao prejuizo, dois se pagam e um, o hit, lucra o suficiente até pra cobrir o prejuizo dos outros.
      Os executivos da Sony são um bando de dinossauros de mentalidade do final da década de 90. Phil Spencer tá fazendo eles rebolarem na mandioca.

      1. Daí vc pensa, se Yoshida é padeiro é pq ele está vendendo sonhos?? Daí vc descobre q ele vende baguete grossa de 30cm pelo dobro do preço pra poneysada ??????

          1. Ue e qual o problema se ele vendeu 50 milhões de unidades é pq 50 milhões de pessoas o queria não?

          2. Só a capa dos jogos do veloz PlayStation 5 ja deslanchou em like em comparação com o anúncio do series TARTARUGA X. Kkk x boxta é uma piada

          3. Legal as pessoas compram os consoles q elas preferem se ela preferir PS td bem e se preferir Xbox td bem também sempre temos nossas preferências mas o problema de fanboys como vc é q não conseguem ver as vantagens de ambas as plataformas invés disso ficam se matando por pedaços de plásticos,boa noite pra vc amigo.

          4. Sorte não existe. Muito trabalho,seu verme. Agora entra em posição fetal e chora lá no cantinho,ke dia 17 vou de ghost of tetsushima

          5. Legal GoT será um jogo bom com ctz mas pena q pessoas sem cérebro como vc precisam ficar fazendo console war na Internet.

          6. Aqui é sitevde flame seu verme,não aguenta bebe leite. Ou faz melhor,vaza do site fracote

          7. Vaza vc imbecil ,vc ke ta chorando retarda mental. Usando meus argumentos..kkk boçal . Vaza daqui fracote

          8. Kkkkkkkk sinto pena de vc mas td bem existe pessoas com problemas mentais no mundo espero q melhore ae e aprenda a ser uma pessoa normal alias tenho mais oq fazer.Adios

        1. Pois é, lógica sem sentido a desse pessoal que não usa o cerebro pra raciocinar , só sabe repetir merda vinda desses canais “milgrau” da vida..

      2. Problema é que ultimamente a Sony vem tentando fabricar os próprios hits chantageando jornalistas com o não-envio de futuros jogos pra análise, molhando a mão de outros jornalistas e se beneficiando de quem faz marketing de graça (ainda outros jornalistas, influencers e fanboys).

        Reflexo é esses notaços que eles têm no metascore. Esse estardalhaço em torno do TLOU2 me fez ver que na gringa as conversas já estão em outro patamar, aqui se discute parcialidade por fanboyismo, lá eles já estão convencidos de que existe a parcialidade e investigam as causas, sendo que nem sempre é por guerra de console.

      1. Problema é esses bugs. Days Gone foi algo ridículo, nunca vi um game tão bugado na minha vida. Tenho pena de quem pagou 250 na mídia física e não tem internet.
        Outro ponto, está na hora da Microsoft e Sony remover a Gold e Plus, no Pc é free, não entendo porque cobrar por isso.

  7. se tivéssemos acesso à folha de orçamento de produção dos jogos poderíamos dar pitaco do tipo: “corta aqui”, “corta ali”, “ok, acho justo o aumento!”, etc!!!

  8. Ele está citando a venda de game que vai entre 50 a 100 dólar/euro.
    Já aqui no Brasil, devido as taxas altíssimas de impostos e, a conversão da moeda em si, nos coloca em uma triste realidade. Que pagamos entre 200 á 400 reais. Considerado a média salarial no Brasil, com o tempo, o vídeo game, vai voltar a se tornar um utensílio de luxo, como era antigamente, na era do Nintendo 64.

    1. Sempre foi. Nunca que um pai de família de média mensal de 1000 reais por mês vai comprar um PS4 de 2000 com jogos de 250 pra criançada. Videogames são passatempos da elite, graças a isso que jogar no computador e pirataria tornaram-se tão populares no Brasil. Mesmo com Gamepass comprar o console já é um aperto pra maioria das famílias.

  9. O Xbox Game Pass da um cala boca no Cory Barlog e no Shawn Layden. Meio bilhão de dolares na produção de Halo Infinite e o jogo vai ser DAY ONE no Game Pass.
    O problema dos jogos da Sony é que os seus estudios não desejam que os jogadores se engagem nos jogos, e sim na disseminaçao da propaganda progressista contida neles. Aí se vê o Kratos Boyola Babysitter Cornudo e a Sapatona Ramba Peluda Maconheira como protagonistas respectivamente dos seus últimos jogos.
    Tem mais, Sonysta. Vai pagar 70 dólares pra jogar a 30 fps no PS5. Hihihihihihihi….

        1. Isso é falta de rola kkkk
          Eu não senti vontade de comprar nem PS4, PS3, XONE, X360, Switch, WiiU nesse PANDEMÔNIO. Tenho milhões de trabalhos da faculdade e jogos disponíveis. Ganância pra quê né?

          1. Hahahahaha, quando você falou falta de rola, sugere que uma alternativa seria fazer uns Sex# né? kkkkkkkkkkk

            Melhor que comprar o ps4 kkkkkkkk

      1. Tambem tem o custo de produção, mão de obra e tecnologia usada, ou seja, com artifiicios mais tecnologicos para uma melhor experiencia e para um produto de uma nova geração, obviamente o preço vai aumentar,ele nao esta errado em sua fala, o unico problema é a venda de games mais baratos no xbox do que no playstation,isso eles deveriam repensar e agir.

          1. pagam mas por falta de opção (quem nao quer trocar de console), ou porque tem condição, isso prejudica e muito quem nao possui esse ultimo atributo

    1. Preço que não corresponde com o valor do ativo.

      Por este preço monta-se um PC muito mais poderoso que o console de 4.2 TLOPS da sony.

          1. eu tenho um notebook gamer pra trabalhar , quando to suave ou em viagem dá pra jogar um cuphead deboa sem precisar comprar denovo k

          1. Aquela foto tosca dele ficou salva em outro PC lá do trabalho mas em compensação achei foi o twitter do maluco:

            https://twitter.com/rodrigo_seph

      1. Mas não tem os joguinhos.

        Ninguém ainda parou pra pensar que uma parcela significativa dos 110 milhões, além dos que ficam se matando por exclusivo na internet, é PCzista que só compra PlayStation porque não tem os jogos na supermáquina de R$ 10 mil dele?

  10. Cory Balrog até está correto de certa forma.

    Aumenta o preço base do jogo, pra não ter microtransação… É bem legal esta ideía.
    Pra quem não sabe: As receitas auferidas com microtransações, loot boxes, são justamente para cobrir os custos de fabricação do jogo.

    O que dá lucros para a empresa é assinatura agora. Não mais venda de jogos.

    Dreamcast vendia muitos jogos e mesmo assim faliu, Wii U também.

    Não adianta ter bons jogos, sendo que custará muito caro produzir, e não ter o retorno esperado depois.

    O que a MS tá fazendo está certo, principalmente a Ninja theory, um investimento médio com um jogo bom… Importante é ser bom, seguir o exemplo de Hollow Knight…

    1. Ori, Hollow Knight, Hellblade, realmente são jogos menores e que tão lucro, são vendidos bem abaixo do preço tb, Po, tu pega um Ori, 110 reais no lançamento, tu vai ter uma experiência incrível.

      1. Ori é master piece, sem mais.

        Quem fala que é índie, está bem errado, pois não é bem um indie. Tem uma Publisher: Xbox Game Studios. É um Triple A.

        E MESMO SE FOSSE índie, daria surra de pau mole a muitos exclusivos sony por aí. Até em notas:

        Spider man 87
        HZD: 89
        Days gone 73
        Gran turismo: 78

        Por aí vai…

          1. Na mente doentia deles:

            Cartoon MS = Indie e baixo orçamento.

            Cartoon Sony ou Nintendo = Arte, triple A.

        1. Ori era pra ser um 95+, caso fosse u exclusivo da Sony ou Nintendo. Eu até iria fazer um exposed de como funciona o Metacritic, estou com bastante material aqui, um exemplo: Tem site que só da 100 para jogos da Sony, isso inclui Days Gone que foi lançado cheios de bugs, peguei esses mesmos sites que dão 100 para jogos da Sony e comparei, tive uma incrível surpresa, nenhum deles deu 100 para jogos Microsoft e o pior, tem site que chega ali apenas para diminuir as notas de jogos da Microsoft.
          Outro ponto, jogos da Sony tem muito mais revisores, alguns saem de baixo da terra pra dar 100 para jogos da Sony.

          1. Metacritic não é parâmetro para nada.

            São só sites aleatórios, do fundo de quintal, dando notas sem saber se nem mesmo terminou o game…

            Sites da IGN, Gamespot, Eurogamer. Beleza, tem um crédito… Agora o que tem de site desconhecido lá, da arábia do sul, site do uk, e que não sei o que, não dá credibilidade sequer.

            Notas deveriam ser banidas da face da terra, pois as DEV estão sendo limitadas a agradar ao mainstream, e não aos jogadores.

            Saudades do tempo de donkey kong e de SNES, não tinha essas paradas de nota não.

          2. Mas isso pode mudar no futuro. Por exemplo, a indústria do cinema, música, já foram muito apegada as notas também, isso mudou, hoje ninguém fica entrando em site e olhando qual nota tal música recebeu ou filme, o que ocorreu, foi que a mídia viu que ”gamers” se importam bastante com notas, ou seja, eles viram ali uma maneira de faturar em cima disso, pois só eles podem dizer o que é ou não bom. Mas felizmente, a mídia tradicional, no geral, está perdendo a credibilidade.

            Um tal de Bruno, da Voxel, postou a seguinte mensagem no Twitter dele: Resumido

            Chega Microsoft, queremos jogos single player, com imersão.

            Tipo, nós quem? Outro detalhe, jogos da Microsoft, tirando Bleeding Edge e Sea of Thieves, são todos single player também, o cara quer ditar o que a Microsoft deve fazer. Na mente dele, remover o modo multiplayer/cooperativo de Halo e Gears, é algo ótimo.

          3. Isso é bem verdade, Gears 5 teve foco na campanha… O multiplayer foi só um plus.

            Mas o fato é esse, ninguem liga pra notas, só liga pra usar isso no flamewar.

            Quem joga de verdade nem liga pra isso…

          1. O que impede de Ori ser comparado com spider man?

            São jogos. É diferente de eu comparar uma moto com carro, abacaxi com laranja. Estão na mesma classe de Jogos digitais, mesmo sendo de gênero diferente, nada impede a comparação.

          2. O que tem a ver a capacidade gráfica com comparação?

            Roda em celular não, alais, não rodaria no ps4 Pro nem a 1440p direito. Tampouco em resoluções altas.

            Ori é relativamente pesado, caso você não saiba.

          3. Jogos de categorias diferentes, é como comparar um Gol com uma Duster.

            Você não vai conseguir vender um metroidvania pra alguém que jogue apenas ação/aventura em TP e vice-versa. Só faz sentido se comparar Ori com Hollow Knight e Spider-Man com Batman Arkham Knight.

            Você compararia FIFA com qualquer um dos citados? Não, né.

            Ori vendeu pouco por ser de um gênero que aposta na nostalgia e conhecido por ser pouco acessível, com curva de aprendizado acentuada. Não é o caso de Spider-Man, ou dos jogos da Sony, que hoje são fáceis até de platinar.

          4. Segura ai nos teus peito..

            TOP 10 JOGOS MAIS VENDIDOS DA HISTORIA

            1- Minercraft – 176 milhões de cópias

            2- Tetris – 170 milhões de cópias

            3- Grand Theft Auto V – GTA V – 110 milhões de cópias

            4- Wii Sports – 83 milhões de cópias

            5- Super Mario Bros. – 64 milhões de cópias

            6- Pokémon Vermelho/Azul/Amarelo e Verde – 60 milhões de cópias

            7- PlayerUnknown’s Battlegrounds – 58 milhões de cópias

            8- Wii Fit and Wii Fit Plus – 44 milhões de cópias

            9- Mario Kart Wii – 37 milhões de cópias

            10- Wii Sports Resorts – 33 milhões de cópias

            KD OS JOGOS LIXOS DA SONY??

          5. estão tudo abaixo dos 15milhoes que ixcrusivo vende console mas tem 110milhoes de console e nao bate nem 50milhoes de vendas em um unico ixcrusivu….

        2. AAA é critério de dinheiro, não de quem publica. Ori é no máximo AA. Assim como State of Decay 2, independente dos delírios megalomaníacos da Undead Labs quando lançado.

          Sea of Thieves, sim, é um AAA.

    2. O WiiU era um lixo e o Dreamcast foi prejudicado pela pirataria e pelo custo estratosferico de produção de Shenmue, que a Sega não tinha cacife pra aguentar.

      1. WII U não considerei lixo não.

        Tinha jogos, retrocompatibilidade.
        Problema mesmo era aquele controle, caro… E inutilizado.

        Era um bom console.

        Dreamcast, marketing pesado do ps2 quem derrubou. A Sony destruiu a Sega.

        1. O controle era bom. Tinha uma pegada mó loca e latência nos comandos incrivelmente baixa.
          Ruim foi ter achado que ia vender sem esforço, coisa que aconteceu com o Vita tbm. Não lançaram jogos e deu no que deu, PS4 prevaleceu.
          WiiU foi o melhor console de mesa da Nintendo. Jogaram tudo no ralo com o Switch.

          1. Problema do Wii U foi que lançaram 1 ano antes e era o mais fraco dos 3 (mais até que o One FAT). Daí as thirds não faziam jogo pro console.

            Se a Nintendo tivesse lançado junto com o resto e feito algo na casa dos seus 1.5TF, não é exagero dizer que teria matado o Xbox.

            (ou seja, não estaríamos tendo essa conversa pois eu teria um Wii U e o Jorge ainda estaria postando notícia de Windows Phone)

          2. lol.
            Mas mesmo com menos poder ele receberia jogos third Party desde que ele tivesse vendido bastante e seus clientes comprassem os jogos. Afinal de contas seria impossível de ignorar o WiiU de 100 milhões só pq “num tem poder” haha.

        2. Tem mais um problema com o Dreamcast, é que ele chegou primeiro na geração e com uma tecnologia mais defasada, as escolhas da SEGA foram muito ruins na época,ela não acompanhou a industria e não tinha cacife para sustentar um pensamento antiquado igual a Nintendo, entao deu no que deu kkk.

        3. Em termos de hardware bem fraquinho porém a linha de exclusivos é mais robusta que do Xbox One.

          O que desprova a teoria sonysta de que exclusivos vendem e poder não importa.

    3. Wii U não vendia nem consoles direito, quem dirá os jogos, o que sustenta um console são as vendas de jogos e atualmente as assinaturas e microtransacoes, o Wii U só vendia bem seus jogos exclusivos e a maioria dos jogos multiplataforma não chegavam pra ele, acaba que chega uma hora e fica insustentável manter um console que só vende os jogos que a própria empresa faz que são poucos por ano.

      1. E mesmo assim foram muito mais que os que a Sony lançou pro PS4. Vc vê que a coisa tá feia quando um console floppado teve mais jogos da empresa que um de sucesso. Os sonystas tão há mais de um ano esperando jogo desde o Days Gone.

      2. Exato, o Xbox One vendeu 50 milhões e o Wii U 14 milhões exatamente por esse motivo. Todos thirds saem pro Xbox, única exceção é uns japoneses.

        Antes que alguém cite o Switch, estamos falando de console, não portátil. O público de Switch é grande parte o mesmo do 3DS, gente que tem outro console/PC como plataforma principal e o Switch pra dar umas brincadinhas em viagens ou no banheiro.

    4. O que faltou no WiiU foram os jogos. Só vieram depois que o PS4 virou modinha e todos sabemos que a minoria compra dois/três consoles. Fanboys existem pq não compram todos consoles. Ninguém ia comprar o WiiU pq já tinha pego PS4 pra jogar o GTAV exclusivo da Sony.

      1. Wii U sempre teve jogos o problema é que não tinha os thirds. Aliás o problema da Nintendo desde os anos 90 é que não atraem as third-parties. Solução foi lançar portátil.

        1. “Sempre”
          Passou 1 ano só com jogo velho de Play3 fullprice, ZombiU/New Super Mario Bros. U(jogos de expressividade mínima).
          Os jogos de expressividade só vieram 9 meses depois com Pikmin 3 em agosto. A 3 meses dos novos consoles. Perdeu feio a oportunidade. Tipo a Microsoft que foi cagar com a imagem do XONE. O público foi direto pro PS4 sem chance pra concorrência pífia de 2013. Coisa que Nintendo e Microsoft aprenderam muuuuito bem pra matar na próxima geração. Switch veio com muitos jogos de relevância no ano de lançamento e Microsoft está cultivando a imagem do novo console desde que lançou a retrocompatibilidade e Gamepass, com clara intenção de levar adiante a ideia. O Switch tá destruindo e o XSEX tem de tudo pra destruir tbm.

    5. As lootboxes vão ser proibidas, aposte. E com razão.

      Aproveitando a vibe RDR2, no cassino você joga jogos como vinte-e-um, roletas, slot machines… Em todos eles você paga pra entrar e não sabe o que vai ganhar (ou perder). Vinte-e-um por exemplo se joga contra a casa. E a casa nunca entra pra perder.

      Comparando, é óbvio que lootboxes terão chance de 1% pra itens realmente bons, porque do contrário só seria necessário comprar 1 ou 2 delas.

      Porém microtransações não são o mesmo que lootboxes e vão existir enquanto houver quem pague…

  11. Cory Balrog é um cara com opiniões bem válidas da indústria, realmente o custo dos games aumentou a ponto do valor tem que subir para $70, semelhante ao aumento sofrido na transição para o HD, que os jogos subiram para $60. O problema foi saber deste aumento pelas mãos da 2K, que tem microtransações ridículas nos seus jogos.

  12. Acho que devia ter uma diferenciação de preços sim … algo do tipo um jogo AAA completo sem microtransações $ 70,00 se for com microtransações $ 50,00 jogos indies dependendo do custo e tipo de jogo de $ 20 a $ 50 … to chutando valores não tenho informações suficientes para cravar uma tabela … mas seria mais honesto e viável para todos … porque o que tem de jogo incompleto sendo lançado a preço cheio por ai é demais…

    1. RDR2 até hoje está firme e forte. Acredito que eles vão começar a exigir autenticação online para evitar a pirataria.
      https://crackwatch.com/game/red-dead-redemption-2

      1. Kct, não sabia dessa do RDR2. Fudeus, rsrsrs. Mas essa geração eu tava de boas, não tenho essa tara de comprar jogo no lançamento e algum tempo depois sempre acabava rolando promoção na Live. Peguei Farcry 5 por 50, The Division 2 por 9,90, Watch Dogs 2 por 57, todos com menos de um ano após o lançamento. Só q logo agora na quarentena meu Xbox One queimou, e por 2300 não compro outro nem a pau. Vou esperar baixar a poeira pra decidir o q vai ser melhor. Comprar outro, apostar na nova geração ou PC Gamer.

        1. Mas ainda não é em todos os jogos, a Rockstar que investiu pesado na proteção. Vamos ver se eles vão repassar a mágica para outras produtoras maiores.

  13. Segundo os usuários de Xbox a matemática é simples: o custo do jogo aumenta, mas o preço deve diminuir.
    Sério, dá preguiça ou não?

        1. Está achando que a Sony é a Apple? Que pode colocar o preço que quiser? Só relembrar o Ps3 bebe, Sony está longe de ser uma Apple da vida, vai sofrer muito se isso se concretizar. Sony, assim como em todos os seus outros produtos, gosta de cobrar caro por seus produtos, problema que todos os seus produtos, estão perto do esquecimento, com o Playstation vejo o mesmo caminho. Sony cobrando alto por tudo dentro do console, Xbox vindo e se tornando popular e Sony vai acabar falindo de vez.

          1. Vamos tentar entender a lógica da mãe Goku de Iansã aqui: o PlayStation, console que quebra todos os recordes da história da indústria, com jogos aclamados, etc, está caindo no esquecimento, por outro lado, o Xbox, console que foi ultrapassado em vendas por um portátil lançado 3 anos depois, que não vende jogos, tendo, inclusive, consoles descontinuados precocemente, tendo vendido cada vez menos, está “se tornando cada vez mais popular” .
            Mãe Goku, você lê o que escreve? Se sim, você é doido de ainda postar, me desculpe. Talvez você seja maluco, e eu esteja te levando muito a sério também. Vai saber!

    1. Bom dia amigo, tudo bem?
      Então, acompanha minha linha de raciocínio (eu só levantei dados recentes e agr quero alguém pra discutir)
      Em 2005, quando Xbox 360 lançou e os jogos pularam de 49 pra 59 dólares, a indústria dos games levantava 60 bilhões de dólares.
      Nos dias de hoje, os devs falam da necessidade de aumento de preço pq o custo dos jogos aumentou em média de 200 a 300%. Entretanto, 2020 é estimado de terminar levantando algo na casa dos 160 bilhões de dólares para a indústria dos games. Esse aumento de renda já está na média do aumento de custos, correto?
      Agora, existem previsões de que até 2025 a indústria chegue a bater 300 bilhões de dólares anuais, um aumento insano mesmo.
      Então assim, vc acha que um aumento no preço é justificável para todos os jogos? Eu concordo com jogos como GOW e TLOU2, por exemplo, aumentarem de preço por serem jogos focados em uma narrativa, sem muitas formas de deixar o jogador comprando constantemente. Mas NBA 2K21? Não concordo mesmo, aquilo eh um cassino com uma cesta de basquete kkkkkkk
      Acho que se mais jogos saíssem no estilo Cyberpunk ou se as empresas fossem igual a CDPR da vida, elas se sairiam melhor… Qq tu acha?

      1. Boa tarde. Amigo, eu não seria maluco de discordar de você no que tange a jogos anuais (FIFA, PES, NBA2K, etc.) Realmente esses jogos não fazem jus a um crescente investimento (pelo menos não à altura que eles propõem). Pelo que li, você concorda que jogos que realmente mudam de uma versão pra outra, jogos que demoram anos para serem desenvolvidos, necessitam sim de um aumento no preço. Creio que o diretor de GOW se referia justamente a esses títulos, não aos conhecidos caça níqueis que você citou.
        Enfim, claro que concordo em número, gênero e grau, com você.

      1. Do mesmo jeito que existe pagar 150 conto por predador e Godzilla , a vantagem q não somos obrigados a comprar pra ter certeza se presta ou não

  14. Como çounista lê:

    Olha queremos lhe colocar a seco uma roula tão grossa que você pode morrer.

    E no final da leitura çonista faz a seguinte cara

    😉

  15. Nova geração com 30fps pra fica mais facil pras desenvolvedoras, mais barato e ainda querem aumentar o valor dos jogos… Vão ficar na mesmisse ganhando mais pra isso e a gente paga o pato PQP…

  16. O que ele não entende é que os jogos serão caros e ainda assim terão micro-transações. Fifa e NBA 2k21 já são prova disso. Nesse caso os gamers vão sair perdendo de todo jeito.

  17. Sonista não gosta que se fale em teoria econômica aqui, ainda mais pra se critocar algo relacionado à Sony, mas vamos lá. O preço é um valor atribuído em relação à oferta x demanda. Se você tem uma demanda alta, como um jogo como God of War, você vai variar seu preço com a oferta do seu jogo, isto é quantas cópias você vai produzir. Quanto mais cópias, menor será o preço. O que vai cobrir o custo de produção será o lucro, não o preço em si.

    O que acontece é que com as cópias digitais você tem uma.oferta do seu produto literalmente infinita, logo você pode dar o preço que quiser. Isto é, se God of War sair a 30 dólares, com a demanda alta que ele tem, a procura por ele seria tão alta que o lucro vai se equivaler ou até ultrapassar o valor que chegariam vendendo a 60. Quanto mais 70 ou 80 dólares.. Mas isso nunca vai rolar.

    O que realmente prende a oferta do jogo impedindo que o preço caia é a produção em mídia física. Pra mim o ideal era deixar mídia física pra edições de colecionador, essas justificadamente super caras, enquanto a edição padrão seria digital por um preço muito mais baixo.

    1. Mídia física hoje você compra o disco e ainda tem que baixar no console o jogo. Lixo total. Mas tem quem defenda por “saudosismo”.

      Na verdade é paudurismo mesmo, poder mostrar em casa a estante cheia de jogos. Com digital perde o efeito.

      Além disso as capinhas de plástico de hoje são uma afronta pra quem teve Nintendo nos anos 90 com as gloriosas caixas de papel e os manuais ricos em conteúdo…

    2. Não adianta colocar o preço de um jogo digital AAA no período lançamento (época em que historicamente se ganha mais receita) por 5 dólares, por exemplo, que nesse caso talvez a receita nem cubra os custos de produção. A teoria econômica não é tão simples como você coloca. Existe um gráfico curvo que relaciona a oferta e demanda para se estimar o lucro. Ou seja, existe um preço ideal para se maximizar os lucros, independente dos custos ou do corte dos custos que se possa ter com a extinção da mídia física, tanto que até no PC, onde só existe mídia digital, os jogos recentes não são tão baratos, chegando a se equiparar aos consoles no lançamento. Obviamente, a oferta dos jogos físicos limita a possibilidade de descontos e isso atrapalhou os jogos digitais por muito tempo, mas agora a tendência é outra. Com o aumento do custo de produção, o ponto de equlíbrio do preço ideal vai subir bastante, de modo que nem os jogos digitais serão baratos. E se os jogos digitais custarem o mesmo ou só um pouco mais barato que os físicos, obviamente as pessoas tendem a comprar os físicos. É por causa da tradição e também desse complexo sistema que os jogos em mídia física ainda dominam na indústria de games, embora a mídia física já tenha sumido em vários outros ramos. É mais ou menos a mesma lógica dos livros digitais. O meu palpite é que os jogos físicos continuarão até o fim dos dias dos consoles, embora haja certo esforço da Sony e Microsoft para sumir com eles. Essa análise é mais levando em conta o período de lançamento, mas de resto, continua como está hoje, quando o jogo ficar velho compensará mais comprar digital do que o físico, porque daí sim os custos a mais do físico (como distribuição, mídia, margem de lucro do revendedor, transporte, etc) farão diferença no preço.

      1. “Existe um gráfico curvo que relaciona a oferta e demanda para se estimar o lucro. Ou seja, existe um preço ideal para se maximizar os lucros, independente dos custos ou do corte dos custos”

        Na verdade esse gráfico estipula o preço ideal, não o lucro. O lucro é derivado das vendas com o custo de produção. Você está baseando a sua argumentação num erro de conceito. Claro que não dá pra baratear demais o preço do jogo, mas esse limite é muito mais baixo considerando a oferta de jogos digitais não ter os mesmos custos. Vá por mim, eu posso ter simplifocado, mas sei que estou falando.

        1. Então, sinto informar, mas todo mundo na indústria gamer quer o máximo de dinheiro possível. E o preço ideal é justamente aquele que trás mais lucro (aqui entendido na concepção clássica da diferença entre a receita total da empresa e todos os custos), não são conceitos desvinculados, pelo contrário. Dito isso, se fosse tão simples quanto você pensa, não haveriam lançamentos no PC por 200/250 reais/60 dólares, plataforma cuja única mídia é a digital. Apesar de enfraquecida, eu diria que a mídia física só vai morrer quando o streaming se consolidar. O problema é que isso também pode significar a morte dos consoles.

      2. O problema é justamente esse. Num mercado ideal quem dá o preço é o comprador, e com os custos menores de se ter mídias digitais existe essa possibilidade de baratear o preço, mas ninguém vai fazer isso.

        O que eu falei é que se esses caras quisessem os preços seriam bem mais baixos. Se você considerar que de 110 milhões de ps4 vendidos somente foram vendidos 10 jogos por console, isso mostra que os preços, pelo menos nesse console, não atraem as pessoas a comprar jogos. No caso da Nintendo onde jogos são mais caros, existe muita procura, mas a oferta de jogos é menor, logo se tem mais unidades vendidas por falta de opção mesmo. Nesse caso da nintendo baixar os preços não é tão viável.

      3. Respondendo aqui pra não ficar extenso demais. A grande vantagem da mídia física é que ela é física kkk

        Tipo, é algo físico, que você pode usar a qualquer momento. Quer dizer, se um dia no futuro os servidores onde os originais estão arquivados forem fechados e você não tiver sua cópia salva em algum lugar com você, você nunca mais vai poder jogar sua cópia de novo. Não existe esse risco com mídias físicas. Por isso existe sempre o risco de se perder todos os jogos que a pessoa tem em mídia digital. Tomara que não cheguemos a esse ponto, mas se chegar um dia em que essas linhas de console entre em colapso, vai ser preciso ter todos jogos armazenados em algum lugar.

        1. Eu concordo com suas observações, mas é como você admitiu: num cenário ideal, só haveriam jogos digitais (físico quando muito edições de colecionador) e eles seriam muito mais baratos do que são hoje. Só que infelizmente as pessoas que mandam na indústria preferem vender menos (deixando o preço menos acessível) para lucrar mais. Ou seja, é mais fácil termos jogos digitais praticamente do preço de jogos físicos do que jogos digitais baratos (o que já está ficando raro até para PC).

          1. Bem, não é que só existisse mídia digital, haveria mídia física, mas seria mais cara e melhor acabada. Tipo o que a amazon faz com os livros, os digitais pra kindle são bem mais baratos que os livros físicos, e esses geralmente têm um acabamento bem cuidado. Os jogos poderiam seguir esse rumo.

  18. Esse cara tá querendo a treta.
    O cara esquece que é possível fazer um jogo sem microtransação sem aumentar o preço do jogo.
    E vai conseguir : o Sonysta tá de plantão no site do Jorge

  19. O público gamer é extremamente sensível quanto a essas questões. Boa sorte, Cory. Você vai precisar, parceirinho.

    Palpite nervoso aqui: esse aumento é uma jogada pra possivelmente direcionar as pessoas que pulam de jogo em jogo aos serviços de assinatura. Se for isso mesmo… rapaz, quando se derem conta de que o Game Pass e o PS Now não vêm de graça, já vai ser tarde demais.

  20. Estão de forma sincronizada colocando o aumento de preço de jogos na cabeça do consumidor; o que é uma incoerência diante da narrativa de que a tecnologia facilitará a produção de jogos. Sei que na nova geração quem tiver o Game Pass será Rei. Vem futuro promissor do XB.

  21. Qual empresa será a primeira a chegar 2 trilhões primeiro?

    Microsoft
    Apple
    Amazon

    Eu aposto na Microsoft, de novo. 1 trilhão deu Microsoft, 2 será ela de novo, pra quem achava que a Microsoft iria falir com o aumento dos smartphones, se deram mal.

    Sim, estou falando do Tecmundo. Os cara erraram tudo. Menos o Myspace, que já estava falido na época. Olha a lista dos cara.

    Nokia – Passou por problemas, mas está viva.
    Microsoft – Cresceu como nunca.
    Sony – Está ruim, mas ainda assim, está viva.
    Intel – Está mais viva do que nunca.
    Myspace – Esse, até uma criança acertava.

    https://www.tecmundo.com.br/futuro/11255-5-gigantes-da-tecnologia-que-podem-falir-ate-2019.htm

      1. Ela atingiu mas não se manteve ao final do dia. Microsoft foi a primeira a fechar com 1 trilhão. Na verdade nem foi a Apple, foi a Amazon. Mas como eu disse, a primeira a fechar em 1 tri, foi a Microsoft.

        1. Apple se torna a primeira empresa de TI a valer US$ 1 trilhão. A Apple é oficialmente a primeira empresa de TI a valer US$ 1 trilhão (a primeira do mundo foi a PetroChina, ainda em 2007. Em qualquer site você encontra a informação correta.

  22. Eu já acredito que deveria ser o contrario.
    Deveriam fazer todos os jogos de graça e lotar de microtransação. Assim a EA não cobra pelos 2 e os consumidores ficam felizes.

    Eu mesmo não to nem um pouco afim mais de pegar essa nova geração de consoles, jogos chegar a vim a 300 reais no basico e 580 reais em versão deluxe, parece que estou comprando jogos para o Switch… Estou com uma certa certeza que vou migrar para os PC, justamente pelos preços serem mais acessíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *