Carregando...

IGN EUA é acusada de publicar fake news por ex-editores

Nas últimas horas, muito barulho entorno da IGN USA, a famosa revista americana de videogame. Agora temos uma outra polêmica, dessa vez mais grave do que o plágio da review de Dead Cells. O caos foi causado por acusações feitas por alguns ex-editores do Twitter, a saber Mitch Dyer e Kallie Plagge.

De acordo com as palavras dos dois antigos ex-funcionários da revista, os dois antigos diretores Steve Butts e Tal Blevins teriam pressionado seus subordinados por um longo período, humilhando-os em várias ocasiões e às vezes forçando-os a escrever notícias inventadas (fake news), fazendo-as assinar: de modo a aumentar as visualizações no site. Nesse sentido, parece que as notícias de 2014 sobre a saída de Amy Hennig da Naughty Dog, que segundo os artigos publicados pela IGN USA, eram devidas a más relações entre ela e a desenvolvedora. Uma das notícias falsas que, segundo Dyer e Plagge, teriam sido impostas aos editores, outra seria também a do suposto cancelamento de The Last Guardian, que causou alvoroço no momento da publicação, apesar do fato de ter sido uma notícia completamente inventada.

Os tweets também falam sobre suposto favoritismo em relação à Rockstar, com medo de não receber cópias promocionais dos jogos. Não menos graves são as acusações de disparidade no tratamento dos funcionários da empresa, uma vez que alguns deles estavam hospedados em hotéis de luxo durante as visitas à imprensa, enquanto outros eram forçados a ficar em lugares baratos e sem nenhum conforto.

Timdog exibiu um vídeo onde, segundo ele, mostra quando a Playstation Experience foi fraca, mas a IGN não queria chatear os fãs da Sony:

Eu não ia dizer nada porque tinha medo, mas o diabo. Levei anos para me recuperar de todos os abusos que sofri no IGN. Eu escrevi sobre um único incidente, mas trabalhar com Steve Butts e Tal Blevins foi uma experiência incomparável em termos de abuso. ”

Segundo Dyers, no entanto, a situação do jornal hoje seria completamente diferente devido ao saída dos dois indivíduos. De fato, o ex-editor afirma ter contatos na IGN EUA e que, no momento, estão todos muito felizes com a atual situação de trabalho.

À espera de uma resposta dos dois acusados, Butts e Blevins, para responder aos tweets dos dois ex-editores, havia também Neil Druckmann, diretor de jogos de The Last of Us Part 2,  confirmou  que a notícia de 2014 era fake.

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.