Carregando...

Microsoft começa a pagar pela morte do Windows Phone

O ano é 2016. Na Microsoft Store, além de comprar aplicativos, você pode comprar músicas, programas de TV e filmes. O ano é 2017. Você pode comprar apps, músicas, programas de TV, filmes e livros. O ano é 2018. A Microsoft removeu a capacidade de comprar música. Baixe todas as suas músicas ou as perca. O ano é 2019, a Microsoft removeu possibilidade de comprar livros, você receberá um reembolso. O ano é 2021, a Microsoft pode fechar a sua loja pois ninguém se importa.

Este último exemplo foi inventado, ele pode até ser improvável ​​para alguém que acompanha religiosamente notícias sobre tecnologia – mas para o consumidor comum – a Microsoft Store não é mais uma consideração séria para nada. Após o fim do Windows Phone, tivemos um forte abandono por parte dos desenvolvedores.

Enquanto o Windows deixou de fazer parte do dia-a-dia de muitas famílias, afinal a era dos smartphones está aí. Basicamente o sistema é utilizado para duas coisas: jogos e trabalho. A comunicação social já não é mais relevante como na era do MSN. Sem dúvida alguma, retirar o Windows Phone e não colocar um sistema que o substituísse foi uma falha grave.

Temos visto a Epic Games ser um combatente real do Steam e consegui 85 milhões de usuários, mas ainda assim a Microsoft não consegue evoluir com o Windows 10 ou lançar o “dispositivo móvel definitivo” que Satya Nadella tanto falou e não cumpriu a promessa.

Tenho falado com Jez Corden do Windows Central, e o tal “dispositivo móvel definitivo” estava sendo chamada de Andromeda, seria uma espécie de mistura de smartphones com PC dobrável. Um aparelho ideal para quase tudo, que teria o poder do Windows completo, mas a mobilidade de um celular. Bem, segundo Jez, tal projeto está parado justamente por falta de aplicativos móveis. Com o fim do Windows Phone, os desenvolvedores ficaram desmotivados.

Ainda falaremos  sobre a plataforma UWP, em uma matéria mais detalhada, mas ocorre que a Microsoft substituirá o navegador Edge por um do Chromium. A empresa já substituiu o UWP do Skype por um aplicativo mais tradicional e descartou o UWP Office. Você não precisa da Microsoft Store para baixar o Office.

Enquanto a Microsoft é a empresa mais poderosa do mundo em termos de recursos financeiros, graças a nuvem e Nadella, a parte do software parece estar um tanto esquecida. O que é realmente triste.

Existe salvação?

Surface Hub 2, roda o novo sistema operacional da Microsoft.

Sim, mas essa parece que vem de ré. O Windows Club é um site que fala sobre vários produtos da Microsoft, mas é focado no que está relacionados ao grande público do consumidor, e hoje, sem dúvida alguma o Xbox é o produto de sucesso da empresa. Quero que ela reforce suas portas com o consumidor final e não se torne uma IBM, ou seja, mass voltada aos serviços corporativos.

Teoricamente, a Microsoft vai lançar talvez neste final do ano o WCO, um novo sistema operacional que torna o Windows 10 mais modular, e também será volta aos PCs dobráveis e vários outros produtos que ainda não conhecemos.  Diante disso, um desses supostos projetos  é o “modulo/shell gamer” que tornaria possível levar todos os jogos do Xbox para o PC, e assim tornaria a loja mais relevante (e o Xbox Game Pass mais vantajoso). Além disso, não limitar o Windows ao UWP também é um caminho que está sendo seguido e quem sabe jogos do Steam ou Epic aparecerem pela loja.

Quantos aos aplicativos móveis, tudo vai depender do PWA, algo que está se tornando cada vez mais popular, mas que não é certeza que se tornará o padrão da indústria. Esta forma de criar apps é algo mais universal em um único código pode ser utilizado no Android, iOS, Windows 10 ou Web. O Twitter faz parte desse seleto grupo.

Em suam, vamos ter que aguar o novo sistema, novas atualizações do Windows e novos dispositivos. Por enquanto ainda está nebuloso. Foi uma pena o fim do Windows Phone não só para a empresa, mas para a indústria que perdeu um concorrente, já que só a própria Microsoft teria poder para competir como gigantes como o Google e Apple em termos de sistemas operacionais. No geral, o consumidor perdeu e não só própria empresa perdeu, já que se afastou mais de produtos para o consumidor final.

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.