Carregando...

Phil Spencer reascendeu a marca Xbox One quando tudo parecia perdido

Phil Spencer, líder da divisão do Xbox.

Tem sido uma geração bastante complicada para o Xbox, para dizer o mínimo. Entretanto, como já estamos no final de uma geração e prestes a pular para outra, é hora de dar alguns créditos. Desde a sua revelação absolutamente polêmica- sim, estou falando do lançamento do Xbox One – a plataforma sofreu bastante.

Não é fácil jogar para cima quando a competição não está no seu concurso. No entanto, a oportunidade de recuperação do jogo deu ao Xbox e ao novo chefe da divisão Xbox, Phil Spencer, uma oportunidade de ouro. Quando você está em segundo lugar, você pode ser mais corajoso, mais ousado. Spencer aproveitou essa oportunidade e deixou o Xbox maravilhosamente pronto para ter um forte começo para a próxima geração de consoles. Como eles fizeram isso e por que Phil Spencer merece crédito?

Mais importante: eles escutaram

A divisão Xbox fez um trabalho fantástico de ouvir a base de fãs. Algo que foi extremamente abusado no lançamento do PS4 e Xbox One foi o poder das novas máquinas. Todos os lançamentos de grandes jogos foram recebidos com upscaling ou “apenas 720p” de especialistas em tecnologia. Xbox automaticamente teve uma desvantagem que foi levantada praticamente todos os meses; o console estava tão focado em oferecer opções como uma plataforma de entretenimento que perdeu um pouco do foco do console. Ainda assim, a mídia notícia diariamente desvantagens quanto ao desempenho dos jogos em resolução, mesmo que na taxa de framas o Xbox One saísse vitorioso.

Desde o pontapé inicial, o PlayStation 4 foi tido como melhor por não ter políticas de empréstimos de jogos complicadas ou ser “mais poderoso”. Spencer sabia da importância de fornecer uma experiência premium e conseguiu praticamente relançar o Xbox One com dois fantásticos novos modelos: o Xbox One S e o Xbox One X.

Phil sabia o que era importante para os jogadores e, ao apresentar o “Console mais poderoso do mundo”, ele aniquilou uma enorme desvantagem da plataforma. De repente, os fãs do Xbox tinham o direito de se gabar em uma batalha quase tribal que durou anos e ninguém pode negar: o Xbox One X é um kit seriamente impressionante de jogos. Tiremos o chapéu para Albert Penello.

Jogos exclusivos

“Mas o Xbox One não tem jogos” é um dos grandes mitos desta geração. O Xbox One não tem apenas jogos exclusivos, tem alguns dos melhores da geração. O Sunset Overdrive é incrivelmente especial, vou lembrar para sempre. Leva a fórmula de Ratchet e Clank e aumenta a intensidade para um nível totalmente novo, ao mesmo tempo que fornece um belo mundo aberto. Halo e Gears receberam novas adições para suas franquias completas com opções 4K. O Master Chief Collection e o Rare Replay são duas antologias fantásticas, até cartas de amor. Então você tem seus títulos menores, como Ashen, Cuphead (enorme asterisco) e Ori, todos brilhantes em seus próprios direitos. Há jogos como o Crackdown 3 e o Sea of ​​Thieves, que não foram bem recebidos pela crítica, mas oferecem um bom nível de variedade, e no caso do jogo de piratas da Rare é um dos mais populares da plataforma atualmente e também de plataformas de streaming como Mixer e Twitch. A variedade é o tempero da vida, e com Quantum Break, Forza, Ryse, Halo Wars 2, Super Lucky’s Tale, Titanfall, Black Desert, State of Decay 2 e muito mais, há algo para todos. Isso sem mencionar ao fenômeno Forza Horizon 4.

As aquisições de estúdio e crescimento são excelentes exibições de intenção de melhorar ainda mais este cenário. Desde o talento experimentado e verdadeiro até o potencial bruto, há muito entusiasmo. Dar liberdade para criar algo fora do nicho é uma jogada ousada que pode ser um golpe de mestre. Trazer a aclamada Ninja Theory poderia introduzir experiências fortes e baseadas em histórias para um jogador no ecossistema Xbox. Todos os estúdios combinados mostram um foco em jogos e criação; Os consoles Xbox nos próximos anos serão preenchidos com muito para jogar, graças aos movimentos que estamos testemunhando agora.

Melhor valor em jogos

Seria errado não falar sobre o Xbox Games Pass. Eu já disse isso antes e vou dizer de novo: o Games Pass é incrível. Se pegarmos algo positivo dessa geração, o Xbox Games Pass abriu várias novas possibilidades. Um serviço de assinatura que permite baixar jogos em vez de apenas fazer streaming deles? Uma enorme biblioteca com lançamentos recentes de AAA e pesos pesados ​​retrocompatíveis? Todos os jogos firsty party no mesmo dia e data dos seus respectivos lançamentos? Em termos de conteúdo puro, o pacote aqui é de primeira qualidade. Só fica melhor a cada dia, os jogos raramente saem do serviço e as ofertas já duplicaram desde o lançamento. Você sempre tenho uma biblioteca incrível na ponta dos dedos, sem investimento extra necessário.

O sol nasce no leste

Suporte japonês nunca foi exatamente um ponto alto de consoles do Xbox. Mesmo para as mega franquias como Final Fantasy, nunca foi uma garantia de que haveria um lançamento no Xbox. O 360 começou a mudar isso. Agora o Xbox One recebe todos os principais lançamentos japoneses na mesma data que o PlayStation. Monster Hunter World marcou a estreia no Xbox e já está “grátis” no Xbox Game Pass. Kingdom Hearts 3 seguiu o exemplo. Metal Gear Solid V foi um grande negócio. Mesmo o recente Sekiro: Shadows Die Twice foi uma grande vitória para o Xbox. Phil Spencer sempre disse que isso é apenas o começo. Devil May Cry 5 sendo revelado durante a conferência do Xbox na E3 2018 realmente chamou a atenção.

Acessibilidade

O Xbox Adaptive Controller é uma das maiores inovações para jogos nos últimos anos. É legitimamente revolucionário. Pensar que este produto poderia abrir esse hobby para um grupo de pessoas que provavelmente nunca imaginou em jogar. Não há muito a dizer sobre isso além de ser maravilhoso que o Xbox tenha dedicado recursos a um projeto que é tão vitalmente importante e, de alguma forma, ignorado com frequência.

O futuro

Desde que Phil Spencer assumiu a marca Xbox teve um renascimento. Em termos de vendas, o console tem feito bem o suficiente e a marca é muito lucrativa. Tudo o que realmente importa são jogos e recursos, e neste nível o Xbox está absolutamente entregando.

Quer se trate de uma vasta gama de opções decentes de first party ou das versões finais de títulos amados de multiplataforma, existem muitas razões para escolher o seu controlador (e também há muita variedade aqui). Xbox mostrou esta geração que a marca está disposta a aprender com seus erros. Eles corrigiram a situação de poder, retiraram o foco da parte de TV, lançaram serviços incríveis e colocaram sério planos para o futuro. Com a E3 a apenas um mês de distância, não tenho dúvidas de que eles terão um show incrível. Muito bem Phil Spencer, traga o futuro do Xbox!

 O que vocês acham?

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.