Carregando...

Phil Spencer: ‘streaming de jogos é confortável, mas jogar localmente é o melhor’

O streaming está aqui para ficar. Qualquer entusiasta de videogame se acostumou a ler e ouvir essa forma de distribuição de conteúdo que foi imposta em setores como música, cinema e televisão. Com propostas como Google Stadia e o futuro xCloud da Microsoft, parece que a próxima década será dominada por esse tido de distribuição. No entanto, Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, acredita que, apesar do conforto e do progresso de sua empresa nessa área, jogar localmente será o melhor.

A indústria de videogames está, aos poucos, caminhado para o streaming. Enquanto a Sony vem experimentando e ajustando seu sistema de assinatura com o PS Now há anos, o Google Stadia chegou em novembro passado com sua ideia de jogos sem hardware local. Os principais gerentes e criativos de entretenimento digital estão cientes da mudança que esse tipo de canal proporcionará para videogames, mas Spencer, que possui o xCloud no Xbox acredita que você ainda precisa manter os pés no chão com streaming e que, é claro, um hardware local dedicado continuará sendo a melhor maneira de desfrutar de videogames.

Em uma entrevista dada à Game Informer, o chefe da divisão de videogames de Redmond compartilhou os desafios que enfrenta na equipe de engenharia do xCloud, como latência, atraso de entrada ou elementos como a compatibilidade de controles sem fio e telas sensíveis ao toque. É por isso que a Microsoft quer continuar usando consoles, como o novo Xbox Series X, um console de nova geração muito poderoso que busca oferecer, como o atual Xbox One X, a melhor experiência de jogo.

Jogar localmente ainda é o melhor, e digo e afirmo absolutamente absolutamente” , explicou Phil Spencer ao site acima mencionado. “O streaming é uma tecnologia que oferece conforto. É uma tecnologia que oferece uma boa opção quando você está longe do console e quer jogar”, concluiu.

De fato, essas declarações enfatizam a ideia da Microsoft como xCloud na forma de um serviço complementar, que é combinado com o Xbox Game Pass e outros e não como uma maneira forçada acabar com os consoles e PCs.

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.