Carregando...

RAD recebe elogios da crítica, mas estará no Xbox Game Pass?

RAD, o novo jogo Double Fine Productions, estúdio este que foi adquirido pela Microsoft este ano, será lançado no dia 20 de agosto, logo após a Gamescom. Bem, todos os jogos que fazem parte da Xbox Game Studios têm a tradição de entrarem no Xbox Game Pass já no dia do lançamento, mas RAD foi criado antes da aquisição e será publicado pela japonesa Bandai Namco – o mistério continua.

Dessa forma, teremos que aguardar até a Gamescom para saber se RAD será ou não adicionado ao Xbox Game Pass, apesar que Psychonauts 2, um projeto bem maior do estúdios, foi confirmado que chegará ao Game Pass quando for lançado em 2020.

Bem, RAD é bom? De acordo com a crítica sim. No Metacritic o jogo alcançou a nota geral 77 e foi bastante elogiado:

CGMagazine – 90

RAD é uma entrada linda e viciante no gênero Roguelite com powerups criativos e uma trilha sonora groovy.

IGN Espanha – 80

Double Fine fez isso de novo. Eles escolheram um gênero lotado como jogos de roguelike e deram um mudança em 260 graus para oferecer algo novo e interessante com RAD. É uma pena que ele fique muito aquém do conteúdo, apesar de suas boas maneiras.

DualShockers- 80

Você não pode errar e não jogar o RAD e experimente outro título imaginativo da Double Fine.

Destructoid- 80

Eu me diverti muito com o RAD, embora eu possa dizer que realmente só arranhei a superfície. Tentar trabalhar com modificações corporais é bastante engraçado por si só, e descobrir novas mutações e saberes tem sido intrigante. Eu não acho que nenhum estúdio além do Double Fine tenha feito o pós-apocalipse tão divertido.

VGC – 80

Com seu estilo e humor distorcido, RAD oferece uma nova visão do roguelike, provando que há muita vida no gênero.

Confira abaixo o novo trailer de lançamento:

Como visto acima, no geral o jogo fez bem ao menos na crítica. Em RAD, devemos entrar em uma área radioativa e em constante mutação, cheia de criaturas perigosas e masmorras geradas processualmente. Aqui encontraremos uma solução para curar o mundo, mas à medida que a humanidade se aprofunda em seu território, seus corpos mais fracos serão expostos a toxinas.

O mundo depende do jogador e das estranhas habilidades que ganharemos com as mutações que nos tornarão menos humanos, porém mais poderosos.

Estão com vontade de jogar?

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.