Carregando...

Retrospectiva Xbox 2019 – Uma Fênix nasce das cinzas

Que ano meus amigos, que ano. Estamos terminando uma década e uma geração, então essa retrospectiva terá um gostinho especial. Não há dúvida de que a geração Xbox One foi difícil para a marca Xbox. Após uma revelação desastrosa, seguido de jogos que simplesmente não atingiram as expectativas. No entanto, com tudo isso dito, desde o início de 2018, o Xbox está lutando para voltar ao topo de forma segura.

O Xbox 2019 foi um ano cheio de surpresas, grandes mudanças na marca Xbox e me deixou muito interessado no que 2020 trará para eles. Não faremos comparativos com a Sony nesta matéria, apesar de consideramos o ano para o Xbox One bem mais proveitoso. Sem mais delongas, vamos mergulhar em alguns dos maiores momentos e jogos do Xbox em 2019.

Crackdown 3

Um jogo que sempre foi aborrecido por quase toda a geração do Xbox One é o Crackdown 3. Depois de revelado na E3 2014, com a promessa de destruição baseada em nuvem melhor do que jamais vimos antes. O hype construído em níveis críticos para ver o que essa nova tecnologia poderia mudar e influenciar os jogos daqui para frente. Infelizmente, o jogo estava cheio de problemas de desenvolvimento e sofreu vários atrasos. Quando o Crackdown 3 foi lançado em fevereiro de 2019, o jogo parecia datado em termos de design em mundo aberto e, finalmente, não era o sucesso que a Xbox esperava que fosse.

Dou crédito ao Xbox, teria sido muito mais fácil e barato cancelar o jogo imediatamente, semelhante ao que aconteceu com o Scalebound. No entanto, eles aderiram e lançaram um produto livre de erros e chegaram ao ponto de dar suporte total ao jogo com conteúdo pós-lançamento. Com jogos que tiveram um desempenho muito melhor e tiveram um suporte pós-lançamento inferior (estou olhando para você Anthem).

Este jogo não faz parte dos trabalhos de Phil Spencer e da atual gestão, como dito acima, ele foi anunciado praticamente no início da geração, e chegou a penas no final. A nova administração da marca tem realmente salvado o Xbox, como já detalhamos aqui. Tendo isso em mente, com todo devido respeito, Crackdown 3 faz parte das cinzas do Xbox, agora vamos para a Fênix.

Gears 5

A franquia Gears of War sempre foi um sucesso. Gears of War 4 teve uma boa campanha, mas assumiu muito poucos riscos em termos de narrativa e desenvolvimento de personagens. No entanto, tudo isso mudou com o Gears 5 de maneira monumental. Personagens que pareciam desinteressantes em Gears of War 4, como JD e Del, de repente ficaram muito mais emocionalmente complicados. O maior impacto veio da performance de Laura Bailey como Kait, que foi uma das melhores performances que vimos este ano.

As lutas internas e a culpa de Kait fizeram dela uma personagem muito intrigante e o empate no meio do jogo. Os jogos do Gears of War foram brilhantes. The Coalition passou de fazer um jogo de Gears of War para tornar o Gears of War próprio. Lembramos ainda que sites como a Forbes escolheram tal título como o mais belo da geração. A qualidade é realmente espetacular.

The Outer Worlds

Vamos ser sinceros aqui, The Outer Worlds iniciou a E3 2019 da Microsoft. Muitos achavam que foi apenas uma “caridade” da empresa colocar um trailer de um estúdio que apesar de seu, ainda não tinha o poderio econômico para fazer um jogo digno de abrir um evento tão importante para indústria. The Outer Worlds surpreendeu positivamente a todos este ano e realmente mereceu o tratamento dado pela Microsoft. A empresa não é só Gears, Forza e Halo.

O Xbox anunciou a aquisição do Obsidian no X018. Muitas pessoas nas mídias sociais e nos fóruns anunciaram que essa compra era um desperdício de recursos porque o melhor trabalho da Obsidian estava por trás deles. Embora não houvesse dúvida de que a Obsidian estava com problemas financeiros em 2015, com a necessidade de recorrer ao Kickstarter para financiar Pillars of Eternity. Muitos viram isso como prova de que o estúdio estava apenas preso no passado com seu design de jogo. The Outer Worlds calou a boca de todos este ano.

The Outer Worlds foi uma carta de amor ao design clássico de RPG, algo que estúdios como Bioware e Bethesda parecem ter esquecido. Com foco no diálogo com os personagens e uma experiência de RPG apertada. Concentrar-se mais na na tomada de decisões, em vez de cumprir 100 horas de missões secundárias irracionais. Não só foi ótima a recepção crítica para The Outer Worlds, mas o jogo também alcançou o número dois nas paradas NPD de seu mês de lançamento. Foi bom em tudo, e principalmente, amado pelo público.

Ficou em segundo lugar apenas com o grande número de vendas que é Call of Duty: Modern Warfare. Logo ficou claro que a Obsidian pode ser uma das desenvolvedoras mais talentosas que o Xbox adquiriu em seu frenesi de aquisições. Uma das maiores críticas que o Xbox enfrentou foi a falta de conteúdo de RPG, e parece que a Obsidian está mais do que pronta para preencher essa lacuna.

E3 2019

A E3 é um dos maiores eventos focados em jogos todos os anos. Com todos em sintonia para ver as últimas revelações de jogos e notícias de seus desenvolvedores e fabricantes de hardware favoritos. No entanto, a E3 2019 teve uma grande curva, e esse foi o fato de o PlayStation não estava presente na E3 em 2019. Isso colocou todos os olhos no Xbox e que tipo de programa eles trariam ao palco sem ter concorrente por lá. Alguns debateram se o Xbox deveria ou não despejar todos os projetos que estavam prontos, enquanto outros disseram que deveriam se conter e guardar alguns anúncios para o X019.

O Xbox 2019 chegou ao topo e girou com força, com um grande foco nos jogos e nos estúdios que eles adquiriram. Vimos novos visuais em jogos como o Wasteland 3, Bleeding Edge, Minecraft Dungeons e The Outer Worlds. Sabemos que jogos como Gears, Forza e Halo são excelentes, mas queremos que os novos estúdios mostrem trabalho e também ganhem destaque pois são equipes de enorme talento, e é justamente isso que a Microsoft tem feito.

No entanto, houve três coisas que realmente roubaram o show. O anúncio da aquisição de desenvolvedores independentes de longa data, Double Fine Productions – e a criação de um estúdio chamado “Age of Empires”. Foi um momento de destaque, porque, em todas as supostas previsões de “vazamentos” e “informações privilegiadas”, ninguém havia previsto isso. O momento seguinte foi quando Keanu Reeves subiu ao palco depois que foi revelado que o ator estaria no próximo jogo do CD Projekt Red, Cyberpunk 2077. Enquanto o “Você é de tirar o fôlego” gerou uma série de memes, não se pode subestimar o quão grande o trailer olhou. O hype que foi construído para o Cyberpunk 2077, com a adição de um dos atores mais amados desta década.

O grande momento final foi quando a Microsoft anunciou oficialmente o Xbox Scarlett e que o Halo Infinite seria lançado com o Xbox de próxima geração no final de 2020. Essa será a primeira vez que o Halo lançará ao lado de um console Xbox desde o lançamento do Xbox original em 2001.

Efeito Xbox Game Pass

O Xbox Game Pass foi sem dúvida um dos movimentos mais amigáveis ​​ao consumidor de um fabricante de consoles na memória recente. Fornecendo uma ampla variedade de títulos de RPGs massivos da AAA, como The Witcher 3 e Kingdom Come Deliverance Todo o caminho para pequenos jogos independentes, como Void Bastards e My Friend Pedro. O Game Pass mudou o tipo de jogo que as pessoas não apenas jogam, mas também compram. O número de vezes que eu vi um jogo que a maioria das pessoas teria esquecido no ecossistema do Xbox diz a frase: “Bem, vou jogar porque está no Game Pass”.

Como alguém que é um grande amante vocal de títulos menores e desenvolvedores independentes, é ótimo ver tantos jogos ganharem mais exposição devido ao Xbox Game Pass. O foco em obter uma variedade tão grande de títulos em uma única assinatura é enorme. Não apenas mudou a maneira como os consumidores jogam seus jogos, mas o serviço também fez a concorrência repensar sua estratégia. O PlayStation Now passou por grandes mudanças este ano. Com o preço sendo cortado, estimulado pelo aumento repentino do Xbox Game Pass.

O Xbox Game Pass mudou tudo, você paga pouco e o único problema é achar tempo para jogar tantas maravilhas. Foram muitos títulos para este ano, alguns inimagináveis para alguns como os recentes Metro Exodus, Devil Mays Cry, The Witcher 3, Rage 2, e tantos outros – até as sagas Yakuza (!!??) e Final Fantasy. Foi incrível até o último momento.

O maior presente do ano foi o Xbox Game Pass Ultimate que combina o Xbox Game Pass para consoles + Xbox Game Pass para PC + Xbox Live Gold. Tudo em um, e você pode converter sua Live Gold por apenas R$ 1,00 como ensinamos aqui.  A economia é muito mais de mil reais.

O fim da retrocompatibilidade, mas para um novo começo

Quase todas as semanas, novos jogos que rodam no Xbox 360 ou Xbox original ganharam compatibilidade com o Xbox One. Contudo, este recurso foi suspenso, mas o motivo é bom: Xbox Series X. A grande equipe de engenheiros que fizeram o milagrade da retrocompatibilidade, que só não trás jogos de outras gerações mas também os tornam melhores, agora está trabalhando para a próxima geração. Logo, em 2020, devemos ouvir boas novidades quanto a isso.

Vale lembrar que, até o momento, o Xbox Series X é o único console que está confirmado suportar quatro gerações de jogos!

X019 e mais

No mês de novembro, a Microsoft realizou um evento voltado aos fãs que foi aprovação máxima. Nele soubemos que mais de 50 jogos chegarão ao Xbox Game Pass – muitos deles já começaram a ser liberados no próprio dia do show. Conhecemos novos títulos como  Everwild da Rare,  Grounded da Obsidian e muito mais. Vários jogos japoneses foram anunciados para o Xbox como a saga Kingdom Hearts. Foram tantos anúncios que parecia o evento não tinha fim com tantas novidades.

Além disso, vimos o Xbox One S All-Digital tomar a Black Friday do Reino Unido. A força do Sea of Thieves que não para de receber conteúdo e ser altamente popular ou até mesmo State of Decay 2 que continua com folêgo. Forza Horizon 4, até hoje só perde para Minecraft entre os populares do Xbox Game Pass e a popularidade da Halo Master Chief Collection após a chegada de Halo Reach neste mês. Ufa!

 The Game Awards e o próximo passo

Não há dúvida de que Geoff Keighley tem trabalhado duro para The Game Awards para ser maior e melhor a cada ano. Mais desenvolvedores e editoras estão lançando seus maiores jogos em seus próprios palcos. Este ano levou absolutamente o bolo em termos de grandes anúncios inesperados. Havia rumores de que o Xbox tinha um anúncio secreto no The Game Awards, enquanto muitos supunham que seria apenas um novo trailer de um jogo que já sabíamos.

Quando Phil Spencer subiu ao palco e revelou não apenas o Xbox Series X (o console Xbox de nova geração), mas uma sequência de um jogo que ninguém esperava. Saga de Senua: Hellblade II, a sequência de Hellblade da Ninja Theory foi um dos melhores momentos da década, sim, pegou todos de surpresa! Esse era o tipo de jogo que muitos, desejavam que o Xbox começasse a criar. Jogos corajosos, sombrios e para um único jogador foram uma das últimas queixas que o Xbox teve em críticas. Eles responderam isso com uma bomba enorme para terminar o ano.

O primeiro título de Senua foi amado pelos jogadores do Playstation e pela crítica especializada. O trailer, que julgo ser o melhor da década – esteja livre para descordar – roubou a cena e assustou a todos não só pela forma macabra que Senua cantava o ritual, mas pelos gráficos arrebatadores jamais vistos antes. A Ninja Theory pretende ser um dos melhores estúdios do mundo, talvez até o melhor, e não duvido que consiga.

Terminou o ano e começou a nova geração, de forma perfeita. Hellblade 2 e Xbox Series X causaram muito impacto nas redes sociais e na comunidade gamer. Foi brilhante.

Xbox indo para 2020

Foi um longo caminho nesta geração para o Xbox. Eles perseveraram e levaram a sério o feedback dos fãs, e seguramente têm cumprido as críticas de seus maiores críticos. A partir deste ano, tudo o que Phil Spencer plantou lá atrás começa a florescer. 2020 será um dos anos mais loucos dos jogos e, principalmente para o Xbox, tem tudo para ser incrível.

O que vocês acharam?

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.