Steam e Microsoft, o dia que uma descobriu que “não vive” sem a outra nos jogos

xbox-steam

Já vimos batalhas bem calorosas entre a Microsoft e a Valve no bom estilo “guerra fria“. Contudo, esta não é a realidade atual, mas o que mudou nos últimos anos?

É uma “catástrofe“, foi o que Gabe Newell, chefão da Valve, falou sobre o Windows 8, que diga-se de passem que foi o primeiro sistema operacional desktop da Microsoft a vir om uma loja nativa – que vendia jogos, inclusive. Bem, Gabe estava com medo da concorrência ou estava certo de que o Windows 8 era horrível para os games? O Fato é que, rumores apontavam que a Valve entrou em contato com a Apple para criar um console, mas esta teria rejeitado. Após disso tudo, surgiram as já falecidas Steam Machines. Notem, está bem claro que a Valve não morrida de amores pela Microsoft.

Contudo, ainda no ano passado, a Valve chegou até a lançar o aplicativo da Steam para o Windows Phone, quando o sistema já não estava mais sendo focado para o mercado de consumo, mas apenas ao público corporativo – estranho? Só agora a Steam apoiou o sistema móvel da Microsoft?

Por outro lado, a Microsoft é a dona do Windows e está produzindo uma Plataforma Universal (UWP) que causou pânico em muitos. Lembra das declarações do CEO da Epic Games? A Microsoft foi acusada de querer monopolizar a distribuição de software no Windows, e ela poderia realmente faz isso, pois como dito acima, o sistema é dela. Contudo, a Redmond já disse que o UWP será aberto e poderá ser usado em outras lojas, inclusive a da Epic ou Steam.

O dia que a Microsoft e Valve acordaram

Gabe-Newell

Enquanto o PC gaming está experimentando crescimento, o mercado de PCs em geral não vai tão bem assim. Os jogos nos smartphones estão cada vez mais rentáveis. A indústria dos games já se mostrou mais rentável que a cinematográfica, e agora superou o mundo dos esportes, tudo isso com a ajuda dos smartphones. Isso está se tornando um grande problema, não só para a Microsoft, mas também para a Valve.

Os PCs gaming estão cada vez mais rentáveis, crescendo forte e os consoles estão sendo bem vendidos,  isso é certo. Contudo, como dito acima, os smartphones estão tirando uma boa parcela desses ganhos.

A Valve executa a maior plataforma de jogos no PC por uma grande margem (monopólio PC gamer), e apesar de flertar com MacOS e Linux, o jogo nos PCs Windows continua a ser a força dominante nesse setor. A falha nos jogos do Windows pode significar a morte da Steam (Steam Machine não deu certo, ou vai com a Microsoft ou afunda) e, portanto, parece que o Windows e a Steam poderiam se tornar cada vez mais dependentes uma da outra para o crescimento.

steamvr

Esta parece ser a força motriz por trás da Valve lançar seu lote de jogos para o Windows Mixed Reality, do SteamVR. A VR não crescerá se as empresas lutarem contra o Windows, pois ele é a chave, graças ao poder das especificações das máquinas, para que possamos ter uma melhor experiência.

O diálogo entre a Valve e a Microsoft também parece ter permitido o cross-play entre as plataformas. Rise of Nations, um RTS recentemente remasterizado para a Steam e Windows 10 UWP, desfruta de uma cross-plataform, apesar de usar as APIs do Xbox Live. Anteriormente, os jogos UWP no PC, como Call of Duty Infinite Warfare, foram segregados da versão Steam, criando uma divisão brusca- não tem como comprar um jogo como este na Windows Store e ficar sem jogar com o público da Steam. Killer Instinct já suporta também Cross-Play entre a Live e a Steam.

xbox-one-twitch

Se a Microsoft começar a suportar salas com teclado e mouse no Xbox One, talvez trazer os jogadores da Steam PC diretamente para o Xbox Live possa resolver os problemas do pool de jogadores. Alguns jogos, como o Rocket League, já apresentam cross-play, mas não há necessidade de se separar por salas, pois nenhum dos métodos de controle possui uma vantagem significativa.

A união da Microsoft e a Valve, poderá favorecer o Xbox e a Steam. O Xbox poderia tornar-se um console companheiro perfeito para os jogadores de PC hardcore que talvez desejem um dispositivo de jogos consistente a 4K na sala de estar, e os jogadores do Xbox desfrutando salas mais cheias para jogar.

As duas somando forças é melhor para o Xbox, para o PC, para a Steam, e para todos.

44 comments on “Steam e Microsoft, o dia que uma descobriu que “não vive” sem a outra nos jogos

  1. Jogos de celular tem como publico geral jogadores casuais que jogam jogos simples free to play, sendo o que sustenta este mercado e publicidade e os denominados baleias, que são jogadores que gastam muito dinheiro em microtransaçoes. Já o mercado de consoles e PCs e sustentado pelos jogadores dedicados que compram jogos de maior orçamento, DLCs, assinam serviços e customizam o proprio hardware (PCs). As duas realidades não se misturam que nem água e oleo, tem nichos distintos de público alvo.

    1. Por enquanto.

      Muitas pessoas compram smartphones e não mais PCs como antes. A Microsoft e Valve sabem que não podem ficar paradas. Os smartphones evoluem e novas tecnologias chegarão em algum momento.

      Com quedas nas vendas de PCs, a Valve vai junto. Vejo crianças que nunca jogaram num console, mas vivem no celular. Quando eu era criança, todo mundo jogava videogame, hoje não mais.

      Não se pode relaxar, somar forças é muito melhor para ambas.

      1. Isso é verdade, antigamente se passava horas na frente do monitor fazendo diversas coisas, hoje ninguém liga mais para os PCs pois um smartphone esta fazendo quase tudo.

        Senão fosse pra jogar eu mesmo não teria um PC em casa.

      2. O assunto em questão e mercado de jogos. Eu não vejo ninguém trocando o seu console ou PC pra jogar no smartphone. Alias, jogar em smartphone continua sendo uma experiência bem desagradavel.

      1. Ai o motivo e outro, falta de tempo e vontade de jogar. Por isso setor mobile de jogos faz sucesso no Japão. Mas, a experiência de jogos AAA de console ou PC esta a muito a frente daquilo que os smartphones podem proporcionar.

      2. Jogue TENTACLES ENTER THE MIND, eu acho excelente, é exclusivo Microsoft, não tem pra Android ou iOS, é uma pena que não teve sequencia, esse jogo tem muito potencial, assim como PHOENIX FORCE, outro exclusivo Microsoft, muito bom também.

        1. Já joguei os dois, tentacles é bom, já o outro não gostei. Estou viciado em Sky Force, um jogo de nave que descobri a pouco que tem no Android mas jogo no Xbox pois nem na loja do Windows sai. Infelizmente certas empresas não ajudam em nada a Microsoft e no final a culpa é dela.

  2. E notavel a história de Gabe Newell. Ele trabalhou durante 13 anos na Microsoft e com a fortuna acumulada após este tempo ele criou a Steam, que ressuscitou o mercado de jogos no PC. Vejam a gravidade, a Steam foi concebida debaixo do nariz da Microsoft. O erro de Gabe foi tentar achar que conseguiria independência do Windows nos PCs apelando pra bosta do Linux.

  3. “Bem, Gabe estava com medo da concorrência ou estava certo de que o Windows 8 era horrível para os games?”

    Estava com medo sim, e foi muito inteligente em aproveitar a mentalidade retrógrada dos PC gamers e dos usuários mais casuais do Windows, que se divertem com os recursos do Android e chiam quando esses mesmos recursos são implementados nos PCs.

    A verdade é que, não fosse a Valve ter convencido o público de que o Steam era um “mal necessário”, já teria quebrado faz tempo.

    A investida deles no mercado de hardware foi um fracasso retumbante. As Steam Machines tinham suporte muito ruim, especialmente da parte da própria Valve, e eram muito caras. Na parte de software, o SteamOS também sofria com o suporte ruim, que atrapalhava também as outras distribuições Linux. O Controle Steam tem algumas frescurinhas legais mas a qualidade de construção é um lixo, tanto Xbox como PS4 são produtos muito superiores e custam praticamente o mesmo. O Steam Link tem um hardware anêmico que mal consegue rodar o Kodi, o que significa que um Raspberry Pi, que é mais barato, é superior nas tarefas de streaming e media center, inclusive porque o GameStream da Nvidia permite rodar o Steam diretamente.

    Hoje a Valve vive basicamente dos “hoarders” (pessoas que compram jogos aos montes nas promoções e nunca os jogam depois), pois todos sabem que o PC é a plataforma mais afetada pela pirataria, além de oferecer muito conteúdo livre de boa qualidade, então não há muita necessidade de ficar comprando jogos no Steam. Os retro e até alguns modernos eu compro no GOG mesmo.

    Como se não bastasse, o client também é jurássico e até hoje não possui uma loja de skins, fazendo com que tenhamos que baixar skins manualmente sempre que a Valve atualiza o Steam e adiciona recursos nas configurações, do contrário os textos ficam desalinhados.

    Enfim, é muito engraçado ver “Master Race” pagar pau pra Valve, mesmo. Acho que são piores que os pôneis nesse sentido. “A nossa plataforma é livre!”, sim, tão livre que pra poder jogar você precisa instalar um client com uma série de permissões de baixo nível que só programas como antivírus possuem no sistema.

    1. Todo Windows novo é assim, quando lança o pessoal diz que o anterior é melhor. Ele já estava acostumado com isso e se aproveitou da situação.

        1. Eu dizia, e digo mais, depois do último update que ele teve ficou totalmente diferente. E para piorar, eu acho o Windows ME o melhor que teve. O diferencial do 7 é que foi um XP melhorado, por isso que não reclamaram.

      1. No 10 dizem que pra fazer o sistema ficou mais complicado, mas a migração de algumas opções do Painel de Controle pro app de Configurações melhorou e muito algumas antigas deficiências do Windows.

        Por exemplo, volta e meia o Windows se perdia quando se tratava de configurar uma rede como pública ou particular… No Painel de Controle, que eu me lembre, nem sequer havia uma opção pra trocar de uma pra outra. Pois na Fall Creators mudaram essa opção pro app, resolvendo o problema.

  4. Será que o futuro seria a fácil portabilidade entre Pc-console doméstico-mobile? Porque atualmente se tem cada vez mais adultos fora de casa (seja trabalhando ou passeando) e crianças/adolescentes com celular na mão, ao invés do PC desktop como na minha geração.

    A despeito da performance bruta do Switch não ser o foco, acho o seu conceito incrível, moderno. Só considero uma pena ser da Nintendo, que no meu entendimento é a mais inflexível e pouco amigável com o consumidor das 3 grandes, onde centraliza demais a proposta do console aos seus games da casa.

    1. O conceito do Switch é incrível. Mesmo aqui em SP sendo complicado, algumas vezes, eu joguei no metro e ônibus. É outra coisa, não se compara com os jogos para smartphone.

      E sobre a Nintendo, ela tem seus problemas, mas ela está sendo a única a inovar nos consoles. Consoles com duas telas, com tela em 3D, com tela no controle, console híbrido, controle que vira dois, controles de movimento. Algumas vezes da errado, mas pelo menos ela está tentando.

        1. Você jogar na TV enquanto está em casa, pegar o console e sair para a rua e continuar jogando. Ai você coloca ele em cima de uma mesa, da metade do controle por seu amigo e tira um contra no Mario Kart.

          1. Melhoria é você colocar uma CPU melhor, uma GPU melhor, mais memória e lançar, isso é melhoria.

            Se criar um controle que vira dois controles não é uma inovação, então me diga, o que é inovação para você?

          2. Windows phone. Mas brincadeiras a parte, não vejo tanta inovação, a Nintendo consegue um controle virar dois porque os jogos dela são simples. Se bem que com esse pensamento a Sony também pode fazer isso com seus exclusivos… Fiquei confuso agora.

          3. O Switch não é um conceito novo, do mesmo jeito que VR não é e controle de movimento não era na época do Wii, o que temos no Switch é algo colocado na indústria dos consoles de mesa de forma prática e eficiente, o que diferencia do Switch de um PS Vita ou um 3DS? Nada, ele é um console hibrido, funciona no portátil e na TV, assim como o PSP fazia com cabos AV, mas o que o PS3 e o PS4 se diferenciam? CPU e GPU mais potente? Essa é a evolução de algo que agradou o público e vende, quem sou eu para discutir o sucesso de um console se ele é ou não inovador? Eu tenho um PS4, PC e Switch, todos me fazem feliz, inclusive jogo mais o Switch que as outras plataformas hoje.. Pq? Pq é agradável e funciona..

          4. Concordo com o que você disse, mas nem sempre algo inovador é algo novo.

            Smartphones com tela de toque existiam antes do primeiro iPhone (Eu mesmo tive um Motorola A1200 em 2005, dois anos antes do iPhone), mesmo assim ele é considerado uma inovação.

            Muitas vezes a inovação não está em criar algo novo, mas sim usar algo que já existe de uma forma que ninguém nunca pensou em usar.

          5. Você colocar qualquer coisa da Apple como inovador é inocência. A Apple copia mais que a Sony, só que os usuários dela é que vangloriam as coisas.

          6. Eu não estou colocando qualquer produto da Apple. Citei apenas o primeiro iPhone.

            Mas para você pelo visto nem isso é inovador.

            Mas sem problema, vou dar um exemplo que vai te deixar feliz. Antes do primeiro Surface já existia capinhas para iPad com teclado, ai a Microsoft lançou o Surface e sua capa com teclado é inovadora.

            Gostou mais desse exemplo?

          7. Inovador para mim é uma máquina que frita sem óleo, já viu? Nesse mundo de tecnologia quase tudo é cópia pois quando sai do conceito já estão copiando com alterações e melhorias.

      1. Eu prefiro ver o Switch como um compilado de tudo que a Nintendo já fez desde o NES até o Wii U, com um plus a mais. Uma proposta inteligente, diria até que obvia, um aparelho que mescla características chave de portáteis e consoles de mesa.

        Considerando um erro atribuir à Nintendo uma espécie de ‘monopolio da inovação’ , como se as outras não procurassem inovar à sua maneira. Considerando o trabalho que a Microsoft vem fazendo com o Xbox inovador, não necessariamente pioneiro.

        1. Temos um problema serio com a conceito da palavra “inovação”.

          O que a Microsoft tem feito é muito bom, é de tirar o chapéu, ela está no caminho certo, mas chamar isso de inovação é forçar a amizade.

    2. Surface Phone é a única esperança no futuro próximo. Essa é a peça que falta e que se fizer um pouco de sucesso já estancará os problemas da Microsoft por muitos anos.

  5. Se a Microsoft anunciasse hoje uma parceria com o Steam, podendo fazer aquele mesmo esquema do GOG Connect, para eu poder migrar alguns jogos do meu Stram para o Xbox One… Eu corro amanhã mesmo e compro um One, sem pensar, nem se importar de não poder pagar a próxima fatura do cartão. ?

      1. rpz tenho jog na steam q nem usei pq o pc queimou e n tive grana pra arrumar hj estou no console devida essa dificuldade de poder ta atualizando componentes, se a steam migrasse a conta noossa senhora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *