Carregando...

Xbox Scarlett e PS5 podem ter processadores dedicados, segundo dev

Durante meses eles têm se falado sobre a próxima geração de consoles, e mais depois Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, confirmou na última E3 que estão trabalhando em seu próximo console e que supostamente possui codinome de Xbox Scarlett.

David Dedeine, diretor criativo de “A Plague Tale: Innocence”, desenvolvido pelo estúdio independente Asobo Studio, deu uma entrevista ao Gamingbolt, em que o diretor criativo não falou muito de quadros e resolução, se não, mas focou na tecnologia Ray Tracing, técnica impulsionada pela Microsoft (DirectX Raytracing) e Nvidia em que gerar uma iluminação capaz de obter destaques, sombras e iluminação em tempo real hiper-realistas e tanto Xbox Scarlett como PS5 poderiam oferecer imagens verdadeiramente realistas.

Toda vez que falamos sobre isso com outros desenvolvedores da equipe internamente, essa discussão é mais sobre: ​​esta é a última geração de consoles? Iremos a um tipo de serviço baseado na nuvem?

“Eu ainda acho que não vai ser o caso por algum tempo e que os consoles da nova geração irão realmente integrar a realidade virtual mais lentamente. Porque você sabe quando você faz VR, você basicamente precisa de dois tipos diferentes de renderização. Eu li um artigo sobre o Ray-Tracing em tempo real. Eu acho que há muitas melhorias na tecnologia e podemos ter algumas surpresas em relação a isso. Talvez a Microsoft ou a Sony encontrem uma maneira de ter processadores dedicados para esse tipo de renderização. Parece que pode ser revolucionário em termos de renderização tardia. Em nosso jogo, ficaríamos felizes com tal coisa. Para um jogo que brinca com luzes e sombras, será ótimo”.

Como dito acima, apenas a Microsoft e Nvidia se manifestaram sobre isso, e a Sony ainda é um mistério se tem algum plano para implementar isso no seu próximo console. Um dos primeiros jogos a utilizarem isso será Metro Exodus, mas que infelizmente foi adiado para 2019.

O Ray-Tracing é visto como um caminho para o fotorealismo e ter processadores dedicados para essa função poderia ocasionar em uma evolução incrível nos jogos.

O que vocês acham?

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.