Carregando...

Ubisoft acredita que a próxima geração será a última para consoles, e a Microsoft poderá ser a culpada

Ubisoft acredita que a próxima geração será a última para consoles, e a Microsoft poderá ser a culpada

xbox-nuvem

Hoje (06), vamos falar sobre um assunto muito polêmico. Enquanto muitos ainda estão brigando e acreditando que quem manda na indústria dos jogos é a Sony, Nintendo, Microsoft e Valve. A situação pode estar em uma patamar muito acima e as empresas mais valiosas do mundo poderão ser a novas detentoras do mercado.

A Ubisoft tocou no assunto e só colocou mais lenha nos temas polêmicos que o futuro dos jogos nos reserva. Alguns acreditam que os consoles são uma atraso para a evolução dos jogos. E as principais vozes na indústria de jogos estão começando a reconhecer que, de alguma forma, em parte, ao súbito sucesso de grandes lançamentos de jogos em smartphones [PUBG/Fortnite] e tablets e inovações na tecnologia de streaming isso pode ter sentido.

A Microsoft disse recentemente à Variety que os jogos estão se tornando cada vez mais acessíveis para ter seus jogos favoritos disponíveis em qualquer dispositivo que você possua. O presidente da Ubisoft , Yves Guillemot, disse acreditar que os consoles de videogame só têm mais uma geração antes que eles desapareçam e sejam substituídos completamente pela capacidade de streaming.  O assunto é sério, e a visão da Ubisoft e da Microsoft sobre o assunto será repassada logo abaixo.

Acho que veremos outra geração, mas há uma boa chance de que, passo a passo, veremos cada vez menos hardware”, disse Guillemot. “Com o tempo, acho que o streaming se tornará mais acessível para muitos jogadores e não será necessário ter hardware grande em casa”.

“Haverá mais geração de consoles e depois disso, estaremos no streaming, todos nós“.

Guillemot disse à Variety em uma entrevista recente que ele acredita que a capacidade de transmitir os jogos AAA para mais telas como uma das maiores inovações da indústria do jogo.

“Isso vai ajudar a indústria de jogos AAA a crescer muito mais rápido”, disse ele. “Temos que trabalhar na acessibilidade desses jogos, para garantir que eles possam ser reproduzidos em qualquer dispositivo, mas o fato de podermos transmitir esses jogos em telefones celulares e telas de TV sem um console vai mudar muito a indústria ”.

Uma grande parte dessa evolução é o uso crescente de desenvolvedores de jogos em nuvem, onde o trabalho mais pesado de um computador é feito por servidores externos, não na casa de uma pessoa ou em seu console.

Guillemot acredita que, à medida que cada vez mais desenvolvedores estão usando essa tecnologia para personalizarem o jogo para os jogadores, ela se tornará mais acessível a todos os desenvolvedores e eventualmente se tornará onipresente o suficiente para fazer a maior parte do trabalho de um console de jogos.

Já existem várias empresas experimentando diferentes tecnologias que permitem que uma pessoa jogue jogos de ponta em notebooks básicos e outros tipos de dispositivos. O serviço Geforce Now da Nvidia está atualmente em uma versão beta gratuita. A empresa de chips gráficos disse que a tecnologia “transforma qualquer computador ou computador em uma plataforma de jogos de alto desempenho”. A Sony também aposta no seu PSNow.

A Valve, que detém a maior loja online de jogos de PC do mundo, e recentemente expandiu seu serviço Link de streaming para os smartphones.

“Existem algumas pessoas que estão trabalhando em streaming, como a Nvidia”, disse Guillemot. “Então, achamos que é uma tendência e que continuará a evoluir. Eventualmente, a tecnologia irá melhorar dramaticamente, o que nos permitirá ter uma experiência muito suave nas grandes cidades do mundo”.

Enquanto a Ubisoft é uma das maiores desenvolvedoras de jogos multiplataforma do mundo, eles não são uma empresa diretamente ligada a qualquer um dos três grandes criadores de hardware: Nintendo, Microsoft e PlayStation.

A Nintendo, por sua vez, não vê seus consoles indo a lugar nenhum tão cedo. A empresa está há apenas um ano do incrível sucesso do Nintendo Switch – um console híbrido que pode ser jogado em com ou sem uma televisão. Então, de certa forma, segue a mesma filosofia de jogo onipresente, mas em sua própria plataforma.

O PlayStation se recusou a comentar, mas no início deste ano o diretor do PlayStation, John Kodera, observou que o atual PlayStation 4, lançado em 2013, está na fase final de sua vida, indicando que uma nova geração de consoles pode estar chegando. Enquanto ele também falou sobre um interesse contínuo em jogos portáteis, ele se manifestou como a próxima geração ocorrerá.

As declarações chegam no momento em que o PlayStation 4 se mantém firme na liderança das vendas de consoles. A empresa vendeu 20 milhões de PS4 em 2016, 19 milhões no ano passado e espera vender 16 milhões este ano.

A Microsoft, que parou de anunciar seus números de vendas do Xbox One em 2016, parece estar evoluindo a maneira como olha para os jogos.

“A Microsoft tem uma longa história como líder no mundo dos jogos”, disse Phil Spencer, vice-presidente executivo de jogos da Microsoft, à Variety. Essa história começa nos primórdios do Windows, com títulos como “Campo Minado” e “Paciência”, e depois avançou com o impulso da empresa para consoles com o Xbox original e depois com o suporte a jogos de consoles on-line, serviços de streaming e jogos. Em 2013, a Microsoft lançou seu mais recente console, o Xbox One.

“Nosso foco agora é fazer a pergunta: ‘O que a Microsoft pode fazer pelos jogos?‘ em vez de simplesmente como competir com a concorrência. É por isso que analisamos a expansão do público com o Xbox Adaptive Controller ou como garantimos que os jogos possam ser multi-geracionais com projetos como a retrocompatibilidade. Eu me preocupo menos que as pessoas joguem Minecraft em um Xbox One, mas que as pessoas possam jogar Minecraft não importando qual console ou dispositivo eles tenham na frente deles”.

Spencer observa que o jogo é hoje uma das seis “áreas de solução” da Microsoft, conforme definido no ano passado pelo presidente da empresa, Satya Nadella.

“Ele nos desafiou a tornar a Microsoft a líder global em jogos, capacitando todos no planeta para jogar, assistir, comunicar e criar juntos”, disse Spencer. “Mencionei isso antes, mas é um exemplo particularmente bom: estamos atualizando o Minecraft para jogar em todos os dispositivos que pudermos, em direção ao objetivo de ter todos os jogadores do Minecraft no mundo capazes de assistir, se comunicar e jogarem juntos. Estamos focados nessa missão para o futuro dos jogos na Microsoft ”.

Enquanto os jogadores jogam em uma variedade de dispositivos, Spencer disse que é importante para a empresa garantir que todas essas experiências sejam ótimas.

“Eu olho para investir em três áreas principais: conteúdo, nuvem e comunidade – isto é, fazer grandes jogos, fazer a experiência de acessar e jogar melhor e melhorar as coisas para os jogadores em geral. Isso ajuda a levar os jogos para todos – não apenas a Microsoft – a um lugar melhor para todos.

“Com relação à sua pergunta específica sobre as gerações de console, é por isso que vejo os próprios jogos evoluindo além das gerações, e gostaria de continuar evoluindo o hardware como multigeracional também”.

Spencer observa que o número de jogadores cresceu para mais de 2 bilhões em todo o mundo e que o crescimento é visto pela Microsoft como uma grande oportunidade de “contribuir para o poder e o potencial dos jogos, já que a próxima onda da revolução digital está atraindo jogadores e criadores juntos através de geografias e plataformas”.

O jogo, acrescentou ele, é “menos sobre ter dispositivos específicos para jogar um determinado jogo, mas ter seus jogos favoritos acessíveis em qualquer dispositivo que você tenha“.

A única empresa na atualidade que pode competir com a Microsoft neste seguimento de streaming é a Amazon, e para nós brasileiros, os cabos da Microsoft que estão aterrados no oceano são mais úteis para nós. Por isso, a Microsoft tem investido tanto no Xbox Game Pass, no Mixer e em servidores. É difícil ver a Sony ou a Nintendo competindo nessa área no futuro, então, não se admire se um dia no “Xbox Game Pass” você ver God of War no catálogo. Um infraestrutura muito robusta será exigida para que isso se torne realidade.

Esta é a visão para o futuro, pois assim como o streaming mudou a indústria dos filmes, TV e música, inevitavelmente será a hora dos jogos. E caso a Ubisoft esteja acerta, a Microsoft está na dianteira para arrancar uma boa fatia desse mercado, mesmo que ainda estejamos baixando os jogos no nosso HD (Game Pass). Note ainda, que Phil Spencer acredita no hardware multigeracional, seja o que lá isso signifique.

Preparados para a mudança? Ou será que o streaming nunca substituirá a máquina física em nossas casas?

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.

Curta nossa nova página no Facebook!