Carregando...

As três chaves pelas quais os consoles podem destronar o PC para jogos

Este ano promete ser muito suculento no campo de consoles. No meio do final deste ano, teremos o PlayStation 5 e o Xbox One Series X, os novos consoles da Sony e da Microsoft. Os dois chegam para dar o salto para a nova geração e trarão uma cascata de novidades em hardware.

O PC sempre foi uma plataforma superior em termos de experiência em videogame, com mais taxas de quadros, mais possibilidades e, acima de tudo, mais capacidade gráfica. Mas este ano, depois de todos os detalhes que a Sony e a Microsoft forneceram em seus consoles, sugere que isso não poderia mais ser assim. Ou pelo menos não como antes.

Inevitavelmente, um PC sempre será mais poderoso e capaz que um console. Mas o PlayStation 5 e o Xbox Series X poderiam elevar a fasquia tanto que poderiam destronar o PC em favor de muitos jogadores que não têm dinheiro para adquirir um PC, mas para adquirir um desses consoles.

Ray Tracing

A primeira tecnologia que ambas as empresas confirmaram para seus consoles será Ray Tracing. Essa tecnologia é baseada em um algoritmo que permite imitar os reflexos e as sombras dos raios de luz, dando a tudo uma aparência muito mais natural. As superfícies visíveis na cena são determinadas traçando raios do observador (a câmera) para a cena através do plano da imagem.

Em termos simples: Ray Tracing é uma tecnologia que não é exatamente nova, mas que finalmente foi implementada no hardware do consumidor, pelo menos pela Nvidia e suas placas gráficas RTX. Com isso, podemos ter iluminação e reflexões realista, que dão um ‘olhar‘ incrível para o título (embora isso depende de como ele é implementado).

O problema com esta tecnologia é que é extremamente exigente. Mesmo com o hardware que a maioria dos FPS oferece no mercado, é difícil obter uma experiência decente com o Ray Tracing ativado. Além disso, existem poucos jogos que o suportam. O hardware para desfrutá-lo é caro; As GPUs da Nvidia (as únicas até agora que podem executar o Ray Tracing) têm altos custos.

O Ray Tracing em consoles tem vários benefícios. A primeira é que ela traria essa tecnologia para desenvolvedores e videogames; por enquanto, temos um catálogo muito pequeno de títulos que suportam RT, e a popularização dessas tecnologias motivaria os desenvolvedores a tirar proveito dos recursos dos consoles e incluí-los.

No outro lado, nós não precisa de um hardware tão poderoso ou tão caro para jogar estes jogos, que eventualmente iria trazer essa tecnologia, eventualmente, para nós. Seria uma maneira acessível e barata de jogar com essa qualidade gráfica.

SSDs (finalmente)

Uma das críticas mais ferozes aos consoles tem sido sua velocidade, em geral. Para reduzir custos, tanto a Sony quanto a Microsoft optaram por seus consoles atuais para incluir discos rígidos mecânicos. Estes são os discos rígidos “de uma vida”, os “gordos”, que costumavam levar nossos computadores mais antigos. Eles podem acomodar grandes quantidades de armazenamento, mas são bastante lentos. Muito lentos.

Como esses discos são muito lentos, os tempos de carregamento desses consoles geralmente são bastante longos e, em geral, o sistema não se move especialmente rápido. Em jogos muito pesados ​​como ‘Red Dead Redemption 2’, os tempos de carregamento podem ser insuportáveis, portanto, eles geralmente tentam evitar a ‘jogabilidade’ em si. Finalmente, os consoles da próxima geração incluirão armazenamento SSD.

O armazenamento SSD tem como contrapartida que eles são mais caros e têm uma relação preço-armazenamento pior, mas são muito mais rápidos. Um SSD em um computador antigo pode fazer a diferença e “revivê-lo”, fazendo com que pareça pelo menos muito mais rápido.

O tempo de carregamento (se presente) será muito menor e o sistema se moverá com muito mais fluidez. Entretanto, deixe em aberto a questão de como isso afetará o preço e, principalmente, qual capacidade básica esses consoles terão. Não poderemos saber até que os consoles sejam apresentados.

Melhor desempenho geral

A Sony e a Microsoft queriam colocar muita ênfase no poder. Há rumores de que, embora eles não sejam consoles tão poderosos quanto um computador desktop, eles atingirão altas taxas de atualização. Em particular, a Microsoft falou sobre como alguns jogos que chegarão ao seu Xbox One Series X podem atingir até 120 fps.

Porque esse é um ponto que sempre foi atribuído aos consoles, que não atingiam a incrível quantidade de fps que os PCs de mesa podem obter. Em geral, os jogos dos dois consoles são fixados em 30 qps, com casos em que atingem 60 qps estáveis, dependendo do jogo. O poder não será um problema nesta geração.

Os consoles da nova geração serão vendidos como um método relativamente acessível para poder jogar com gráficos de alta qualidade como um AAA, que exige um hardware de PC muito mais caro. Muitos jogadores que continuam a venerar o PC podem preferir comprar um console do que um PC para jogos. Este ano a guerra dos consoles parece ótima.

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.