Carregando...

Microsoft estaria planejando um Xbox mais barato e sem disco para próxima geração

Atenção que já vamos adiantar que o rumor é uma fonte confiável, então vale a pena a leitura. Em junho, a Microsoft anunciou o Project Scarlett, um novo membro da marca que “estabeleceria um novo padrão para a potência, velocidade e desempenho do console”. O que a Microsoft não disse é que também está trabalhando em uma versão barata, sem leitor de discos, com o codinome Lockhart, de acordo com quatro pessoas informadas sobre os planos da empresa.

Se esses nomes parecem familiares, é porque eles estão circulando há algum tempo na web. Os primeiros rumores sobre o próximo console Xbox na nova geração, por volta de 2018, sugeriram que o Project Scarlett consistisse em dois modelos do Xbox: o Anaconda de alto desempenho e o Lockhart de baixo custo. Em junho, no entanto, a Microsoft anunciou que Scarlett era um console único e sofisticado, o que levou a especulações e, depois, a imprensa informou que Lockhart havia sido cancelado. Mas a Kotaku, a fonte deste rumor, afirma que Lockhart ainda está sendo trabalhado como uma alternativa mais barata e digital.

O que não sabemos – e o que provavelmente ainda não foi finalizado – é como os preços serão explorados. Mas é mais fácil pensar no Anaconda como sucessor do Xbox One X e Lockhart como sucessor do Xbox One S, com uma disparidade de desempenho semelhante. Espera-se que os desenvolvedores de jogos apoiem tanto a Anaconda quanto a Lockhart, que alguns estão preocupados que possam prejudicar suas ambições para jogos da próxima geração nos próximos anos.

Ao falar com o Kotaku, um desenvolvedor de jogos informado sobre Lockhart o analisou disse que Lockhart possui uma unidade de SSD, como o Anaconda e o próximo PlayStation 5 da Sony, que deverá ter um impacto significativo nos tempos de carregamento. Os desenvolvedores informados sobre o Lockhart também dizem que ele tem uma CPU mais rápida do que qualquer console de videogame atual, o que poderia permitir taxas de quadros mais altas, embora existam outros fatores que podem não ficar claros até que o console seja completamente finalizado, como velocidade e resfriamento do relógio.

Diz-se que o desempenho ideal da Microsoft é a resolução 4K e 60 quadros por segundo no Anaconda e resolução 1440p e 60 quadros por segundo no Lockhart. (Isso não significa que todos os jogos desses consoles cumpram esse desempenho – é o objetivo que a Microsoft está pressionando os desenvolvedores a atingir.)

O Lockhart provavelmente também será fortemente promovido com o crescente serviço de streaming xCloud da Microsoft e a impressionante assinatura do Xbox Game Pass, que permite aos usuários acessarem uma enorme biblioteca de jogos grandes e pequenos. Ambos os serviços se encaixam perfeitamente em um console sem disco, e a Microsoft já empacotou o Xbox Game Pass com a versão digital do Xbox One S, lançada no início deste ano.

A equipe do Xbox não está falando oficialmente sobre nada disso. “Não comentamos rumores ou especulações”, disse um porta-voz da Microsoft em um e-mail ao Kotaku na noite passada.

As pessoas por trás do Xbox ficaram caladas sobre seus planos de próxima geração nos meses seguintes ao anúncio do Scarlett na E3 e, nos últimos meses, a Kotaku afirmou que alguns desenvolvedores reclamaram sobre a falta de comunicação da Microsoft. Muitos dizem que já receberam kits de desenvolvimento para o PS5, codinome Prospero, e imagens desses devkits vazaram por todo o lugar. Os desenvolvedores do Scarlett têm sido mais difíceis de encontrar, embora a maioria dos que estão trabalhando em jogos da próxima geração tenha uma ideia aproximada de que tipo de especificações técnicas atingir.

Por muitos meses, surgiram rumores sobre as diferenças de desempenho entre Scarlett e o PlayStation 5, e especialistas especularam sobre qual console será mais poderoso. Ainda segundo a Kotaku,  não há uma resposta direta a essa pergunta. Um consenso comum é que ambos os consoles têm especificações aproximadamente semelhantes e que as maiores diferenças podem estar em outros fatores, como recursos do sistema operacional ou pequenas arestas técnicas que a Sony ou a Microsoft estão mantendo em sigilo. A maior e talvez mais importante pergunta é aquela que ainda não tem resposta final: quanto custará essas coisas?

Enquanto isso, o Kotaku disse que as duas empresas estavam aterrorizadas com a entrada do Google no espaço de videogame. Porém, após o morno lançamento do Stadia no mês passado, no entanto, a ameaça do Google parece ter sido exagerada. A próxima geração de consoles continuará sendo uma batalha entre a Sony e a Microsoft e será uma das maiores histórias dos jogos em 2020. É um duelo.

O que vocês acham?

 

Fonte

Jorge Henrique
Sou advogado, jornalista e fã da plataforma Windows há cerca de 10 anos. Faço cobertura em eventos e estou diariamente atento a respeito do universo da Microsoft no que tange aos produtos para os consumidores. Respondo como editor-executivo do Windows Club. Estou no Facebook e no Instagram a sua disposição.